História do Sporting Clube da Covilhã
Wang Gang
Terça, 22 Maio 2018 00:00

O chinês Wang Gang chegou ao futebol português para representar os juniores do SL Benfica, mas a estreia no patamar sénior foi com a camisola do Desportivo de Chaves, rumando depois ao Beira-Mar, onde teve a oportunidade de jogar na 1ª Liga, antes de integrar o plantel do Sporting da Covilhã na temporada 2011/2012. Wang Gang arrancou boas exibições no emblema serrano, preferencialmente como extremo direito, tendo participado em 16 jogos oficiais, nos quais apontou dois golos, ajudando a equipa a ocupar lugares tranquilos na classificação da 2ª Liga na primeira metade da temporada. No entanto, o trabalho desenvolvido por Wang Gang chamou a atenção do seu país e a meio do campeonato deixou a formação covilhanense para passar a representar o Shandong Luneng, um clube com tradição na liga chinesa. E é na China que Wang Gang continua a jogar, agora no Beijing Renhe, embora pelo meio tivesse uma rápida passagem por Portugal, desta vez ao serviço do Sacavenense. Que lembranças existem das actuações de Wang Gang pelo nosso clube?

Actualizado em Terça, 22 Maio 2018 09:04
 
Taborda
Terça, 15 Maio 2018 00:00

Taborda percorreu todos os escalões de formação do Freamunde e foi nesse clube que teve a sua estreia a nível sénior, assumindo grande protagonismo na defesa da sua baliza, ao ponto de ter sido contratado para o plantel principal do FC Porto na época 1997/1998. A ligação de Taborda ao emblema azul e branco permaneceu nas temporadas seguintes, mas agora com empréstimos ao Vizela e ao Ermesinde, regressando depois ao Freamunde, antes de assinar pela Naval, na qual se tornou mais mediático pelas suas exibições na 1ª Liga. Da equipa figueirense, Taborda rumou à Roménia para representar durante três temporadas o Politehnica Timisoara, pelo qual chegou a actuar nas competições europeias, voltando posteriormente à Naval, algo que também aconteceria após nova passagem pelo campeonato romeno, agora no FC Brasov. A chegada de Taborda ao Sporting da Covilhã verificou-se na época 2013/2014, permanecendo com as nossas cores em três temporadas, nas quais defendeu as redes serranas em 111 jogos oficiais, com destaque para a 2ª Liga 2014/2015, em que o emblema covilhanense esteve muito perto de assegurar a subida ao principal escalão do futebol português. Taborda concluiu depois a carreira no Moreirense, mas certamente que deixou bastantes recordações nos adeptos serranos das suas brilhantes exibições…

 

Actualizado em Terça, 15 Maio 2018 09:12
 
SC Covilhã 1 FC Penafiel 1
Sábado, 12 Maio 2018 00:00

Reinildo e Kalindi lutam pela posse de bola

Na última jornada da Ledman LigaPro, o Sporting Clube da Covilhã empatou a uma bola com o Futebol Clube de Penafiel e garantiu a manutenção nesta divisão, naquela que será a 11ª presença consecutiva do emblema serrano na competição, numa manhã que foi tendo sempre sensações positivas para as hostes locais, não só pelo seu resultado, mas também pelas notícias que chegavam de outros estádios.

A equipa covilhanense apresentou-se em campo num esquema de 1x4x4x2, com Vítor São Bento na baliza, acompanhado na defensiva por João Dias, Zarabi, Joel e Paulo Henrique, ficando Makouta, Gilberto, Renato Reis e Reinildo no meio campo, com Fatai e Adul Seidi como jogadores mais avançados. Os comandados de José Augusto entraram melhor no jogo e não demoraram a rematar à baliza contrária, porém, o lance de maior perigo seria protagonizado pelos visitantes, quando Gustavo isolou Márcio na área local, que atirou por cima perante o guardião Vítor São Bento. No entanto, o Covilhã continuou mais apostado em chegar ao golo e Makouta deu esse sinal aos 22 minutos, assinando um remate que passou ao lado da baliza penafidelense, mas aos 31 minutos o marcador foi mesmo colorido pelo conjunto serrano, quando Renato Reis cruzou na direita para o cabeceamento certeiro de Reinildo, que assim provocou visíveis festejos no Estádio José Santos Pinto. O onze nortenho procurou reagir ao tento sofrido, contudo, sem revelar capacidade para bater a defensiva local, que teve de ser alterada aos 44 minutos devido à lesão de Joel, entrando Abalo para o seu lugar. Ao intervalo: 1-0.

No final do encontro foi festejada a permanência na Ledman LigaPro

Na segunda parte, o Penafiel esteve mais rematador e obrigou Vítor São Bento a algumas intervenções atentas para segurar a vantagem covilhanense, que esteve bem perto de ser dilatada aos 52 minutos, em que novo cruzamento de Renato Reis na direita possibilitou o cabeceamento de Adul Seidi ao poste, com recarga do guineense para fora. Os forasteiros estavam instalados no meio campo adversário, mas os serranos souberam responder com rápidos contra ataques, com o guarda-redes Tiago Rocha a resolver por duas vezes iniciativas problemáticas para a sua baliza, rubricadas por Fatai e pelo recém-entrado Onyeka. Os instantes finais da partida foram de sinal mais para o Penafiel, que alcançou o empate aos 90 minutos por intermédio de um desvio oportuno de Fábio Fortes e que esteve perto de chegar ao triunfo aos 90+3 minutos, com Fábio Abreu a atirar ao poste e a bola a sobrar para uma confusão em que Abalo evitou o golo nortenho. A ansiedade no estádio serrano só não foi maior porque mesmo em caso de derrota a permanência estava assegurada, visto que os resultados dos principais opositores estavam favoráveis para as contas locais, mas volvidos alguns momentos surgiu o derradeiro apito do árbitro Bruno Esteves e a festa tornou-se uma realidade no recinto covilhanense. Com este desfecho, o Sporting da Covilhã termina o campeonato no 15º lugar, com três pontos acima da zona de despromoção, garantindo desta forma a participação na Segunda Liga 2018/2019.

Texto: Eugénio Lopes.

Fotografias: Filipe Pinto - Foto Académica.

Ficha de Jogo: http://ligaportugal.pt/pt/liga/jogo/20172018/ledmanligapro/38/8

Actualizado em Segunda, 14 Maio 2018 08:52
 
Maki
Terça, 08 Maio 2018 00:00

O sérvio Zoran Manoljovic é conhecido nos meios futebolísticos por Maki, um avançado sérvio que chegou a Portugal para representar o Marítimo, onde jogou uma temporada na 1ª Divisão Nacional. A carreira de Maki prosseguiu depois por União de Leiria, Amora FC, CD Mealhada e Trofense, antes de assinar pelo Sporting da Covilhã no decorrer da época 1993/1994, com o nosso clube em situação complicada (último lugar) na Zona Centro da 2ª Divisão B. A experiência e oportunismo de Maki, assinou oito golos em 17 jogos, ajudou a equipa serrana a subir na tabela classificativa, mas mesmo assim não foi evitada a despromoção à 3ª Divisão Nacional. Maki rumou na temporada seguinte à Oliveirense, jogando posteriormente por Trofense e Tirsense, sendo actualmente treinador na liga angolana, em concreto no 1º de Agosto. Que memórias existem de Maki com a camisola covilhanense?

Actualizado em Terça, 08 Maio 2018 08:36
 
Gil Vicente FC 0 SC Covilhã 1
Domingo, 06 Maio 2018 00:00

Depois de quatro jogos consecutivos sem vencer e sem marcar qualquer golo, o Sporting Clube da Covilhã foi ao terreno do Gil Vicente Futebol Clube alcançar um importante triunfo por 0-1, resultante do tento apontado por Zarabi aos 59 minutos, o que deixa a formação serrana em posição muito favorável para garantir a manutenção na Ledman LigaPro.

Esta partida teve um início movimentado, revelando duas equipas com ideias atacantes e com vontade de rematar à baliza, no entanto, os lances mais emotivos apenas surgiram após o primeiro quarto de hora: aos 19 minutos, Jonathan atirou um pouco por cima das redes visitantes; e aos 25 minutos, Fatai apareceu um posição perigosa da área local, mas sem conseguir bater o guardião João Costa. Com a progressão do relógio, os comandados de José Augusto assumiram o controlo do encontro e passaram a actuar frequentemente no meio campo contrário, importunando a defensiva minhota em diversas acções, com destaque para o minuto 39, quando somente uma boa intervenção de João Costa impediu o sucesso da iniciativa de Reinildo, permanecendo assim o nulo para a etapa complementar. Ao intervalo: 0-0.

Na segunda parte, o Covilhã continuou a procurar a vitória e viu o seu esforço premiado aos 59 minutos, em que Paulo Henrique cobrou um canto para o cabeceamento certeiro de Zarabi, o que provocou grandes festejos nos mais de cem adeptos serranos presentes em Barcelos. Em desvantagem no marcador, o já despromovido Gil Vicente procurou não sair derrotado deste jogo, porém, não apresentou soluções para ultrapassar a estrutura defensiva forasteira, apesar de uma ou outra tentativa mais preocupante. O conjunto covilhanense já estava mais preocupado em segurar os três preciosos pontos do que em aumentar a contagem, no entanto, ainda protagonizou alguns lances em que esteve perto de novo êxito. O último apito do árbitro António Nobre garantiu o triunfo para as cores serranas, que desta forma partem para a derradeira jornada da prova com dois pontos de vantagem sobre a zona de descida de divisão, podendo até nem ser necessário pontuar diante do Penafiel no caso de um cenário positivo nos outros resultados, contudo, será melhor não estar dependente de terceiros, apelando-se a uma boa presença de adeptos covilhanenses para apoiarem o nosso emblema nesta disputa.

Texto: Eugénio Lopes.

Ficha de Jogo: http://ligaportugal.pt/pt/liga/jogo/20172018/ledmanligapro/37/2

Actualizado em Domingo, 06 Maio 2018 20:04
 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Seguinte > Final >>

Pág. 4 de 157
Livro História SCC
.
fa

Livro História do Sporting Clube da Covilhã 1923-1990 disponível para aquisição na Foto Académica, localizada nas Escadas do Quebra Costas n.º 2 - Covilhã

ATLETAS
JOGADORES DE A a Z:
TREINADORES
OUTRAS FIGURAS
ENTREVISTAS
EVENTOS
CONTACTOS
OUTROS
REDES SOCIAIS

face

SPONSOR

Gigarte - Design e Comunicação

ESTATÍSTICA
Visualizações de conteúdos : 1475625