História do Sporting Clube da Covilhã
Costa Almeida
Terça, 24 Outubro 2017 00:00

Costa Almeida iniciou a actividade futebolística nos escalões jovens do FC Porto, onde as boas exibições possibilitaram-lhe somar duas internacionalizações pelos sub-18 de Portugal e ascender ao plantel principal da formação azul e branca. Costa Almeida integrou a equipa sénior portista durante duas épocas, pela qual disputou alguns jogos na 1ª Divisão Nacional, representando depois vários emblemas do futebol lusitano, nomeadamente, FC Penafiel, FC Famalicão, Salgueiros, Leixões (na principal divisão nacional), Recreio de Águeda, Oliveirense e Estrela de Portalegre, de onde rumou ao Sporting da Covilhã na temporada 1983/1984. Na única época em que envergou a camisola serrana, Costa Almeida jogou preferencialmente no meio campo e participou em 30 jogos oficiais, repartidos por Campeonato Nacional da 2ª Divisão (4º lugar na Zona Centro) e Torneio Complementar da Federação Portuguesa de Futebol (vitória covilhanense por ser o melhor vencedor das várias séries com clubes do escalão secundário). A carreira de Costa Almeida prosseguiu posteriormente por Benfica e Castelo Branco, SC Paivense, CD Celoricense, Valpaços, Gondomar, São Pedro da Cova e Atlético de Rio Tinto. No entanto, Costa Almeida voltaria ao Sporting da Covilhã na época 1994/1995, agora na função de treinador e proveniente do Avanca, liderando o plantel serrano entre a 6ª e a 29ª jornada da Série C da 3ª Divisão Nacional e dando o seu contributo para que o nosso clube subisse à 2ª Divisão B no final do campeonato, concluído já com a orientação técnica de Fernando Ribeiro. Que outras memórias existem de Costa Almeida?

Actualizado em Terça, 24 Outubro 2017 08:55
 
SC Braga B 0 SC Covilhã 1
Sábado, 21 Outubro 2017 00:00

O treinador José Augusto continua sem conhecer o amargo sabor da derrota com as cores serranas na Ledman LigaPro, visto que nesta jornada o Sporting Clube da Covilhã foi vencer por 0-1 ao terreno da equipa B do Sporting Clube de Braga, com o tento decisivo a ser apontado por Diarra aos 50 minutos, elevando assim para quatro o número de partidas consecutivas a pontuar no campeonato.

A primeira parte caracterizou-se pelo equilíbrio e pela escassez de lances perigosos, até porque a bola não rondou com frequência as duas balizas, no entanto, aos 32 minutos, a formação minhota beneficiou da maior de todas as oportunidades de golo, um pontapé de penálti, resultante de uma falta cometida por Zarabi. Contudo, na transformação do castigo máximo, Luther Singh atirou para intervenção do guarda-redes Igor Rodrigues, que desta forma segurou o nulo no marcador do histórico Estádio 1º de Maio. Ao intervalo: 0-0.

O segundo tempo começou muito bem para o emblema covilhanense, pois, aos 50 minutos, na sequência de um passe assinado por Gilberto, a bola sobrou para o remate certeiro de Diarra, que assim colocou os pupilos de José Augusto na liderança do "placard". O SC Braga B procurou responder à desvantagem, mas sem argumentos fortes, passando mesmo por algumas dificuldades, estando até perto de ver a diferença aumentar. Foi já no derradeiro quarto de hora que os locais assumiram uma postura mais atacante, partindo claramente em busca da igualdade, que esteve próxima de acontecer aos 85 minutos, quando Didi acertou na barra da baliza forasteira na cobrança de um livre directo. Com o último apito do árbitro Humberto Teixeira, a primeira vitória serrana como visitante tornou-se uma realidade, o que permite uma subida na tabela classificativa, seguindo-se no próximo domingo a recepção à equipa B do FC Porto.

Texto: Eugénio Lopes.

Ficha de Jogo: http://ligaportugal.pt/pt/liga/jogo/20172018/ledmanligapro/10/3

Actualizado em Sábado, 21 Outubro 2017 23:58
 
Paulo Alexandre
Terça, 17 Outubro 2017 00:00

Paulo Alexandre iniciou a actividade futebolística no GD Vales do Rio, representando depois a Desportiva do Fundão, pela qual realizou boas exibições na 3ª Divisão Nacional, possibilitando-lhe o ingresso no Sporting da Covilhã na temporada 1986/1987. Paulo Alexandre evidenciava qualidades principalmente em acções atacantes, mas o plantel serrano era muito forte nessa época e nunca se conseguiu impor perante tanta concorrência interna, no entanto, pode orgulhar-se de ter integrado um grupo de trabalho que conquistou o título nacional da 2ª Divisão, garantindo assim o regresso do nosso clube ao escalão mais alto do futebol português. Paulo Alexandre voltou depois ao GD Vales do Rio, mas teria nova oportunidade de envergar a camisola serrana na temporada 1989/1990, que não correu como desejado às cores covilhanenses, visto que o 9º lugar na Zona Centro da 2ª Divisão Nacional não permitiu o acesso à edição inaugural da 2ª Divisão de Honra na época seguinte. Paulo Alexandre prosseguiu posteriormente a carreira no Tortosendo e Benfica, deixando certamente diversas recordações das suas actuações…

Actualizado em Terça, 17 Outubro 2017 08:49
 
Morais Alves
Terça, 10 Outubro 2017 00:00

O moçambicano Morais Alves começou a jogar futebol no Sporting de Lourenço Marques (actual Maputo), mas as suas capacidades despertaram a atenção do Sporting CP, onde acabou por ingressar na época 1964/1965, tendo envergado a camisola do emblema de Lisboa em quatro partidas oficiais. Na temporada seguinte, Morais Alves foi emprestado ao Sporting da Covilhã por uma época, ajudando o nosso clube a alcançar o 2º lugar na Zona Norte da 2ª Divisão Nacional, sendo a subida ao principal escalão do futebol nacional perdida para a Sanjoanense por três pontos. Morais Alves era um extremo esquerdo/avançado com apetência para marcar golos, representando o símbolo serrano em 31 jogos oficiais (Campeonato Nacional, Taça de Portugal e Taça Ribeiro dos Reis), nos quais apontou dez tentos. A carreira de Morais Alves prosseguiu depois por Leixões (1ª Divisão Nacional), União de Lamas, Sanjoanense (também na 1ª Divisão), Académico de Viseu e Odivelas. Que outras recordações permanecem de Morais Alves?

Actualizado em Terça, 10 Outubro 2017 08:48
 
José Joaquim Brito
Terça, 03 Outubro 2017 00:00

José Joaquim Brito nasceu na freguesia do Barco, concelho da Covilhã, iniciando a sua carreira futebolística nos escalões de formação do Sporting da Covilhã, mas a estreia a nível sénior foi com camisola do AD São Romão, regressando depois ao nosso clube na época 1973/1974. Na temporada seguinte, José Joaquim Brito é emprestado ao Covilhã e Benfica, mas ingressa novamente no Sporting da Covilhã na época 1976/1977, permanecendo no clube serrano durante quatro temporadas, sempre a disputar a Zona Centro da 2ª Divisão Nacional. José Joaquim Brito era um avançado possante e com muita velocidade, tendo representado o emblema covilhanense em 165 jogos oficiais (Campeonato Nacional, Taça de Portugal e Taça Federação Portuguesa de Futebol), nos quais assinou 22 golos. Posteriormente, José Joaquim Brito envergou a camisola do SC Barco e da Desportiva do Fundão, deixando certamente diversas memórias das suas boas actuações…

Actualizado em Terça, 03 Outubro 2017 08:42
 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Seguinte > Final >>

Pág. 4 de 145
Livro História SCC
.
fa

Livro História do Sporting Clube da Covilhã 1923-1990 disponível para aquisição na Foto Académica, localizada nas Escadas do Quebra Costas n.º 2 - Covilhã

ATLETAS
JOGADORES DE A a Z:
TREINADORES
OUTRAS FIGURAS
ENTREVISTAS
EVENTOS
CONTACTOS
OUTROS
REDES SOCIAIS

face

SPONSOR

Gigarte - Design e Comunicação

ESTATÍSTICA
Visualizações de conteúdos : 1303476