História do Sporting Clube da Covilhã
Machado
Terça, 25 Julho 2017 00:00

Machado realizou todo o percurso das camadas jovens no Gondomar SC, onde também se estreou a nível sénior ao representar aquele emblema nortenho na Zona Norte da 2ª Divisão B. Machado rumou depois ao SC Rio Tinto, AD Lousada e FC Vizela, permanecendo neste último clube durante seis épocas, antes de ser apresentado como reforço do Sporting da Covilhã para a temporada 2009/2010. Machado afirmou-se como titular no lado esquerdo da defensiva serrana, ajudando o nosso clube a garantir a manutenção na 2ª Liga com uma boa dose de sofrimento, pois, a derrota no terreno do Varzim SC na última jornada deixou os covilhanenses com possibilidades de cair na zona de despromoção, mas como o Desportivo de Chaves não venceu o seu jogo foi a formação transmontana a descer de divisão. Machado participou ainda em partidas da Taça de Portugal e da Taça da Liga, totalizando 31 jogos oficiais com a camisola serrana na única época em que esteve ao serviço do Sporting da Covilhã. Machado regressou depois a equipas do norte do país, jogando por Boavista FC, SC Espinho e SC Rio Tinto, onde iniciou a carreira de treinador. Que memórias ficaram das arrancadas de Machado pelo flanco esquerdo?

Actualizado em Terça, 25 Julho 2017 08:50
 
SC Covilhã 1 CF União da Madeira 1 (3-4 nas penalidades)
Domingo, 23 Julho 2017 00:00

Reinildo e Flávio Silva disputam a posse de bola

No primeiro encontro oficial da época 2017/2018, o Sporting Clube da Covilhã ficou logo afastado da Taça CTT, visto que no desempate por pontapés da marca de grande penalidade o Clube de Futebol União da Madeira revelou-se mais certeiro, aliás, os serranos já haviam desperdiçado um castigo máximo no tempo regulamentar, que terminou com um empate a uma bola.

O conjunto covilhanense apresentou-se em campo num esquema de 1x4x2x3x1, com São Bento na baliza, acompanhado na defensiva por Renato Reis, João Dias, Joel e Reinildo, ficando Gilberto e Makouta mais recuados no meio campo, com Fatai, Fábio Martins e Bilel no apoio ao avançado Adul Seidi. O jogo começou muito mal para a equipa local, pois, sofreu o golo inaugural logo aos 2 minutos, quando após um cruzamento da direita, a bola ficou jogável na área serrana, com Gonçalo Abreu a rematar colocado, empurrando assim o União para a liderança do marcador. O Covilhã não demorou a reagir e aos 6 minutos Fábio Martins deu um primeiro aviso às hostes madeirenses, mas o seu remate acabou por ser desviado para canto por um adversário. E aos 18 minutos, os serranos tiveram mesmo a maior de todas as oportunidades para chegarem ao empate, visto que Allef derrubou Adul Seidi em plena grande área, com o árbitro Bruno Rebocho a assinalar o respectivo pontapé de penálti, só que Bilel atirou para intervenção do guardião Tony, que desta forma segurou a vantagem para a formação madeirense. Este lance trouxe maior motivação aos visitantes, que até ao período de descanso ameaçaram por duas vezes a baliza anfitriã, com São Bento a defender bem a primeira destas tentativas e Reinildo a impedir que Flávio Silva cabeceasse com êxito na segunda ocasião. Ao intervalo: 0-1.

Makouta procura travar a progressão de Gonçalo Abreu

Na segunda parte, a melhor entrada pertenceu ao emblema covilhanense, que alcançou o tento da igualdade aos 48 minutos, com Fatai a cruzar da direita para o desvio triunfal de Adul Seidi, provocando visíveis festejos na bancada do Complexo Desportivo. Os locais pressionaram em busca da vitória, mas pela frente tiveram um opositor bem organizado, que não permitiu demasiadas situações de perigo junta das suas redes, salientando-se também o facto do treinador Filipe Gouveia estar bastante limitado em mexidas no onze, visto que tinha somente quatro suplentes, um deles guarda-redes. Porém, e até final do encontro, cada uma das equipas teve uma oportunidade para resolver assunto no tempo regulamentar: aos 79 minutos, um cabeceamento de Adul Seidi possibilitou uma defesa atenta a Tony; e aos 87 minutos, Júnior surgiu sozinho na área serrana, mas não fez melhor do que colocar a bola nas mãos de São Bento. No desempate da marca de grande penalidade, São Bento defendeu o remate de Micael, mas não travou o sucesso das transformações de Gonçalo Abreu, Júnior, Henrique e Marakis, enquanto do lado covilhanense marcaram correctamente Joel, Fatai e Renato Reis, contudo, Amadu Turé permitiu a defesa de Tony e Adul Seidi atirou ao lado, sorrindo assim o triunfo ao União da Madeira por 3-4. Com a eliminação da Taça da Liga, o Sporting da Covilhã foca agora as suas atenções na jornada de abertura da Segunda Liga, que está agendada para o primeiro fim de semana de Agosto.

Texto: Eugénio Lopes.

Fotografias: Filipe Pinto - Foto Académica.

Ficha de Jogo: http://ligaportugal.pt/pt/liga/jogo/20172018/tacactt/1/1

Actualizado em Segunda, 24 Julho 2017 09:20
 
A obra literária "História do Sporting Clube da Covilhã 1923-1990"
Domingo, 16 Julho 2017 16:33

O livro de autoria de Miguel Saraiva foi muito procurado pelos presentes

No passado sábado, dia 15 de Julho, realizou-se a cerimónia de lançamento do livro "História do Sporting Clube da Covilhã 1923-1990", de autoria de Miguel Saraiva, no Salão Nobre da Câmara Municipal da Covilhã, que foi pequeno para albergar a multidão que fez questão de participar no evento, com destaque para antigos jogadores e directores do emblema serrano, alguns deles colaboradores documentais e testemunhiais para esta obra literária. O trabalho desenvolvido por Miguel Saraiva nos últimos oito anos ficou agora concretizado neste livro com mais de trezentas páginas, dividido em 53 capítulos que albergam o historial do Sporting Clube da Covilhã desde a sua fundação até 1990, pairando no ar o desejo de uma segunda edição a partir desse ano até à actualidade.

Os campeões de 1986/1987 acompanhados por outros ex-jogadores serranos

Nesta cerimónia na sede do Município também estiveram presentes a maioria dos jogadores que integraram o plantel serrano na época 1986/1987, sendo prestada uma homenagem pela subida à 1ª Divisão alcançada através de um brilhante 1º lugar na Zona Centro do escalão secundário, com uma confortável vantagem de oito pontos sobre o 2º classificado, o Feirense. Esta fantástica equipa coroou a temporada com a conquista do título de Campeão Nacional da 2ª Divisão, ao vencer a Fase Final disputada com o Sporting de Espinho e o Vitória de Setúbal. O ponto final desta homenagem foi colocado através de um jantar no Hotel Puralã, em que participaram cerca de 150 pessoas, entre as quais o Presidente da Câmara Municipal da Covilhã, os Presidentes da Direcção e da Assembleia Geral do SC Covilhã e o Presidente da Casa da Covilhã em Lisboa, que deram por bem empregue o tempo dispendido nos aplausos a esta histórica equipa do clube covilhanense.

SC Covilhã e CD Aves não foram além do nulo

Pelo meio, a comitiva serrana teve oportunidade de existir ao jogo de apresentação do Sporting Clube da Covilhã para a temporada 2017/2018, que teve lugar no Complexo Desportivo da Covilhã perante o Desportivo das Aves, tendo terminado com uma igualdade a zero bolas, numa partida com ritmo de início de época e condicionada pelo calor que se fazia sentir. No próximo domingo, os apoiantes serranos já terão oportunidade de assistir a um encontro oficial, visto que o conjunto covilhanense receber o União da Madeira em jogo da 1ª eliminatória da Taça da Liga.

Texto: Eugénio Lopes.

Fotografias: Filipe Pinto - Foto Académica.

Actualizado em Segunda, 17 Julho 2017 09:33
 
Manuel Brás
Terça, 11 Julho 2017 00:00

Manuel Brás assinou pelo Sporting da Covilhã para a época 1966/1967, sendo proveniente do União de Tomar, que naquele tempo também militava na Zona Norte da 2ª Divisão Nacional. Com Manuel Brás a ocupar posições atacantes na equipa, os serranos começaram o campeonato com três vitórias consecutivas e foram permanecendo nos primeiros lugares com o avançar da prova, embora a alguma distância pontual do futuro campeão Tirsense, com o conjunto covilhanense a concluir a Zona Norte do escalão secundário num honroso 4º lugar. Já na Taça de Portugal, Manuel Brás e colegas foram logo eliminados na 1ª ronda, depois de um nulo com o Penafiel na cidade serrana e uma derrota por 2-1 em terras penafidelenses. Manuel Brás participou ainda na Taça Ribeiro dos Reis, onde o emblema covilhanense rubricou uma prestação positiva, porém, insuficiente para impedir que a vaga nas Meias-finais fosse ocupada pelo SC Espinho. No total das três competições, Manuel Brás envergou a camisola serrana em 30 jogos, nos quais apontou seis golos, deixando certamente outras recordações da sua carreira futebolística…

Actualizado em Terça, 11 Julho 2017 00:07
 
Livro "História do Sporting Clube da Covilhã 1923-1990"
Quarta, 05 Julho 2017 11:07

Actualizado em Quarta, 05 Julho 2017 13:42
 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Seguinte > Final >>

Pág. 6 de 141
Livro História SCC
.
fa

Livro História do Sporting Clube da Covilhã 1923-1990 disponível para aquisição na Foto Académica, localizada nas Escadas do Quebra Costas n.º 2 - Covilhã

ATLETAS
JOGADORES DE A a Z:
TREINADORES
OUTRAS FIGURAS
ENTREVISTAS
EVENTOS
CONTACTOS
OUTROS
REDES SOCIAIS

face

SPONSOR

Gigarte - Design e Comunicação

ESTATÍSTICA
Visualizações de conteúdos : 1275376