História do Sporting Clube da Covilhã
SC Covilhã 0 GD Estoril Praia 1
Domingo, 22 Janeiro 2012 00:00

Joel em perseguição de Licá

O ano 2012 ainda não trouxe qualquer triunfo ao Sporting Clube da Covilhã, que nesta jornada foi derrotado pelo Grupo Desportivo Estoril Praia por 0-1, elevando assim para três o número de jogos consecutivos sem alcançar uma vitória.

Os serranos apresentaram-se no relvado do Complexo Desportivo num esquema de 1x4x3x3, com Nuno Santos na baliza, acompanhado na defensiva por Aníbal Capela, Gégé, Ricardo Rocha e Joel, com o meio campo ocupado por Idris, Filipe Fernandes e Gabi, enquanto o ataque ficou entregue a André Sousa, Fofana e Dominic. A partida teve um começo animado, com ambas as formações a procurarem acertar na baliza contrária, merecendo destaque, por exemplo, estas duas acções: aos 10 minutos, Filipe Fernandes surgiu diante de Vagner, mas permitiu a defesa do guardião brasileiro, com a bola a sobrar para Dominic, que proporcionou nova intervenção de Vagner; e aos 14 minutos, um remate rasteiro de João Coimbra obrigou Nuno Santos a uma defesa atenta para canto. A partir do quarto de hora, o encontro perdeu emoção e passou a ser disputado essencialmente na zona intermediária, o que impossibilitou qualquer ameaça ao nulo registado no marcador, numa situação que se prolongou até ao tempo de descanso. Ao intervalo: 0-0.

Nuno Santos vai recolher a bola perante Aníbal Capela e Adilson

Na segunda parte, o Covilhã tentou encostar o líder da Liga Orangina a terrenos mais recuados, mas o certo é que foi o Estoril a chegar ao golo aos 55 minutos, quando Licá conduziu e concluiu um contra ataque pelo lado esquerdo. O treinador Tulipa não demorou a mexer na equipa, procurando dinamizar a ala direita atacante com a entrada de Zezinho, mas não foi feliz, visto que este jogador teve que ser substituído volvidos alguns minutos após um choque de cabeça com um opositor. Dani Matos ocupou então o lugar de Zezinho, realizando-se também a troca de Filipe Fernandes por Pedro Ribeiro, numa tentativa de alargar a frente de ataque. Contudo, até foram os visitantes que estiveram perto de aumentar a vantagem aos 66 minutos, mas Nuno Santos opôs-se bem ao “chapéu” assinado por Adilson. A resposta serrana quase valeu o empate aos 68 minutos, pois, Dominic ficou sozinho perante Vagner, mas atirou ao lado para desespero dos adeptos locais. A partir deste lance, jamais a defensiva do Estoril permitiu protagonismo aos covilhanenses, que nunca apresentaram soluções para as dificuldades criadas pelos visitantes, mesmo recorrendo à presença do defesa central Gégé no ataque. Perante tal cenário, o 0-1 acabou mesmo por ser o resultado final, com o Covilhã a ficar mais envolvido na luta pela fuga aos lugares indesejáveis, seguindo-se uma deslocação ao terreno do União da Madeira.

Texto: Eugénio Lopes.

Fotografias: Filipe Pinto - Foto Académica.

Ficha de Jogo: http://www.lpfp.pt/liga_orangina/pages/jogo.aspx?epoca=20112012&jornada=16&jogo=7033

 

Actualizado em Segunda, 23 Janeiro 2012 10:15
 
Nogueira
Quarta, 18 Janeiro 2012 00:00

Nogueira chegou ao Sporting da Covilhã na época 1962/1963, cedido pelo SL Benfica na sequência da transferência de Rita para o emblema lisboeta, tendo permanecido com as cores serranas durante cinco temporadas. Ainda no escalão júnior, Nogueira integrou a selecção portuguesa que venceu o Torneio Internacional de Juniores da UEFA em 1961, uma prova que passou a designar-se anos mais tarde por Campeonato Europeu de Juniores. Nogueira assumiu protagonismo na defensiva covilhanense, numa altura em que o clube procurava regressar à 1ª Divisão Nacional, um objectivo que ficou muito perto de ser alcançado em três épocas quase consecutivas, mas o 2º lugar na Zona Norte do escalão secundário acabou por possibilitar a subida de Varzim, SC Braga e Sanjoanense em diferentes temporadas. Que outras memórias existem de Nogueira?

Actualizado em Quarta, 18 Janeiro 2012 09:38
 
SC Covilhã 1 Moreirense FC 2
Domingo, 15 Janeiro 2012 00:00

Serranos festejam tento inaugural

Após quatro partidas consecutivas a pontuar, o Sporting Clube da Covilhã regressou aos desaires na recepção ao Moreirense Futebol Clube, embora tenha chegado ao intervalo em posição de vantagem, mas dois golos visitantes no segundo tempo deixaram os pontos em mãos minhotas.

Os locais apresentaram-se em campo num esquema de 1x4x3x3, com Nuno Santos na baliza e uma defesa composta por Aníbal Capela, Gégé, Ricardo Rocha e Joel, ficando o meio campo entregue a Idris, Filipe Fernandes e Gabi, enquanto no ataque surgiam André Sousa, Fofana e Dominic. O Moreirense começou melhor o encontro, actuando de forma prática e veloz, contudo, apenas num lance conseguiu perturbar seriamente o guardião Nuno Santos, em concreto, num remate de Castro aos 9 minutos. Com o decorrer do tempo, o Covilhã equilibrou o jogo, o que originou uma fase pouco interessante, visto que as equipas ficaram perfeitamente encaixadas e a bola raramente se aproximou de ambas as balizas. A excepção verificou-se aos 39 minutos e logo com um golo, pois, um livre directo apontado por Gabi proporcionou a Ricardo Andrade uma defesa para a barra, sobrando a bola para a recarga triunfal de Filipe Fernandes, que assim colocou os serranos na frente do marcador. Ao intervalo: 1-0.

Fofana perante a oposição de Miguel Oliveira

Na segunda parte, o Moreirense voltou com uma postura atacante e conseguiu alcançar a igualdade aos 49 minutos, quando Luís Pinto cobrou com classe um livre directo. Contrariamente ao que tem sido habitual, os serranos não seguraram a vantagem de que dispunham, mas esse facto não deixou marcas imediatas e a equipa procurou fazer novamente a diferença, com destaque para o minuto 65, em que Filipe Fernandes atirou para a defesa de Ricardo Andrade já na pequena área. As entradas de Dani Matos e Zezinho dinamizaram o colectivo local e ajudaram a empurrar os covilhanenses para o ataque, mas sem consequências na hora de rematar à baliza forasteira. Para os últimos instantes, o treinador Tulipa ainda refrescou o sector atacante ao fazer entrar Pedro Ribeiro, porém, acabou por ser o Moreirense a alcançar o tento da vitória aos 90+3 minutos, com um remate certeiro de Ghilas na área local. O derradeiro apito do árbitro Duarte Gomes assinalou o 1-2 como resultado final, deixando as hostes serranas extremamente tristes pela forma como perderam a partida no último lance do jogo e depois de tanto empenho a procurar o triunfo. Na próxima semana, o Covilhã volta a actuar perante o seu público, visto que vai receber o Estoril-Praia, actual líder da Liga Orangina, num jogo que também terá transmissão televisiva na SportTV.

Texto: Eugénio Lopes.

Fotografias: Filipe Pinto - Foto Académica.

Ficha de Jogo:

http://www.lpfp.pt/liga_orangina/pages/jogo.aspx?epoca=20112012&jornada=15&jogo=7252

Actualizado em Segunda, 16 Janeiro 2012 10:01
 
António Rebelo de Matos
Quarta, 11 Janeiro 2012 23:17

Av_Matos

 

António Rebelo de Matos - O Principal Fundador do Sporting Clube da Covilhã

 

António Rebelo de Matos nasceu na Covilhã á 22 de Fevereiro de 1904. Comerciante e representante de várias marcas de máquinas, foi casado com D. Amélia Eugénia Vaz de Sousa Matos e fruto deste casamento nasceram três filhas, D.Maria Leonor Matos, D. Maria Manuela Matos e D. Maria Eugénia Matos Borén. Devido à sua amizade com várias personalidades do Sporting Clube de Portugal, António Rebelo de Matos fez contactos com o Presidente do SCP (Júlio Cardoso Araújo), que apesar de estar no seu último mandato, desejava fazer várias filiais por Portugal. Com o entusiasmo de criar uma filial do Sporting na cidade da Covilhã, António Rebelo de Matos, em concordância com o presidente Júlio Araújo, convida a deslocar-se à Covilhã o dirigente do Sporting Clube de Portugal, Amilcar Pinto, acompanhado pelo jogador internacional Jorge Vieira, uma glória do Sporting nessas épocas. Convenceu também a participar na reunião os Covilhanenses António Estrela, Joaquim Meruje e João Oliveira, todos fundadores do Estrela Futebol Club, um emblema considerado como um clube de jovens com grandes posses e que pertenciam a uma classe social económica média-alta, era chamado de “o clube dos ricos”. Assim, em 02 de Junho de 1923, numa cerimônia pouco protocolar em casa de António Rebelo de Matos, era fundado o Sporting Clube da Covilhã, sendo depois, em 23 junho de 1923, oficializado como 8ª Filial do Sporting Clube Portugal pelo Presidente Dr. José Salazar Correia. Pode-se então considerar, que em 02 de Junho de 1923 o Estrela Futebol Club transformou-se no Sporting Clube da Covilhã. Na fase de transição, as cores dos equipamentos chegaram a ser o amarelo e preto, mas rapidamente passaram a ser o verde e branco que perdura até aos dias de hoje. O Primeiro presidente do Sporting Clube da Covilhã foi José Jacinto Ferreira, sendo António Rebelo Matos o Tesoureiro, constituindo-se este a maior parte das vezes como o grande financiador do clube. Apesar da importância de António Rebelo de Matos, ele nunca chegou a ser presidente, nem jogador do Sporting da Covilhã, mas chegou a ser o sócio numero um do clube, que no primeiro ano de fundação tinha 70 sócios. O primeiro jogo do Sporting da Covilhã foi contra os Montes Herminios, onde viria a vencer este encontro e o pontapé de saída foi dado pela esposa do Sr. António Rebelo de Matos (D. Amélia Eugênia Sousa Matos). Em 1948, António Rebelo de Matos radicou-se na Figueira da Foz, vindo a falecer nessa cidade em 18 de Maio de 1964.

Nesta longínqua história do Sporting da Covilhã, e sem tirar mérito aos outros bravos fundadores do nosso clube, foi sem dúvida este grande Covilhanense o grande impulsionador da fundação do nosso clube.


Texto: Miguel Saraiva

Actualizado em Terça, 14 Fevereiro 2012 16:14
 
Henrique Nunes
Quarta, 11 Janeiro 2012 00:00

Henrique Nunes iniciou a carreira de treinador no Feirense e logo com grande sucesso, tendo orientado o clube na 1ª Divisão Nacional depois de ter vencido a Zona Centro do escalão secundário em 1988/1989, no entanto, a sua chegada ao Sporting da Covilhã apenas aconteceu na época 1999/2000, após passagens por Sanjoanense, Desportivo das Aves, Penafiel, Gil Vicente e Marco. Os serranos estavam numa situação complicada da tabela classificativa da 2ª Divisão de Honra e Henrique Nunes já não foi a tempo de evitar a despromoção, mas permaneceu no clube para a temporada seguinte. Na 2ª Divisão B, os covilhanenses praticaram um futebol de grande qualidade, porém, não foi suficiente para garantir a subida de divisão, terminando o campeonato no 2º lugar, atrás da Oliveirense. Henrique Nunes prosseguiu depois a actividade por outros clubes, como Gondomar e Arouca, tendo repetido trabalhos na Sanjoanense, Desportivo das Aves e Feirense, deixando certamente diversas recordações entre os adeptos do futebol...

Actualizado em Quarta, 11 Janeiro 2012 09:44
 
<< Início < Anterior 141 142 143 144 145 146 147 148 149 150 Seguinte > Final >>

Pág. 142 de 157
Livro História SCC
.
fa

Livro História do Sporting Clube da Covilhã 1923-1990 disponível para aquisição na Foto Académica, localizada nas Escadas do Quebra Costas n.º 2 - Covilhã

ATLETAS
JOGADORES DE A a Z:
TREINADORES
OUTRAS FIGURAS
ENTREVISTAS
EVENTOS
CONTACTOS
OUTROS
REDES SOCIAIS

face

SPONSOR

Gigarte - Design e Comunicação

ESTATÍSTICA
Visualizações de conteúdos : 1475340