História do Sporting Clube da Covilhã
Mário Reis
Quarta, 21 Dezembro 2011 00:00

Mário Reis, natural de Ponta Delgada, começou a praticar futebol nas camadas jovens da União Micaelense, mas foi na Académica que terminou os escalões de formação, conseguindo também êxito na principal equipa do clube de Coimbra, o que lhe proporcionou uma transferência para o SL Benfica. E foi deste emblema lisboeta, que Mário Reis chegou ao Sporting da Covilhã em 1950/1951, assumindo papel fundamental no centro da defesa serrana durante quatro temporadas, sempre na 1ª Divisão (com destaque para o 6º lugar em duas épocas consecutivas), onde participou em 62 jogos com as nossas cores. Na Taça de Portugal, Mário Reis envergou a camisola covilhanense em 12 encontros, ajudando a que a equipa atingisse os Quartos de Final em duas temporadas seguidas. Que outras recordações existem de Mário Reis?

Actualizado em Quarta, 21 Dezembro 2011 09:48
 
FC Penafiel 0 SC Covilhã 1
Domingo, 18 Dezembro 2011 00:00

 

O Sporting Clube da Covilhã despede-se do ano 2011 com a primeira vitória fora de casa neste campeonato, visto que o golo de Idris aos 11 minutos foi suficiente para derrotar o Futebol Clube de Penafiel, originando assim uma bela prenda de Natal para as cores serranas.

A formação covilhanense entrou bem na partida e conseguiu alguma supremacia sobre o adversário, elaborando o primeiro lance de perigo aos 6 minutos, mas Gui não concluiu devidamente o passe de Wang Gang. No entanto, a superioridade visitante foi mesmo premiada com um golo aos 11 minutos, quando uma cabeçada fulgurante de Idris deu a melhor sequência ao canto apontado por Gabi, colocando assim os serranos na frente do marcador, numa situação inédita como forasteiros nesta edição da Liga Orangina. O Penafiel procurou reagir à desvantagem, mas o Covilhã nunca facilitou no sector defensivo e impossibilitou acções problemáticas para o guardião Nuno Santos, sendo mesmo os visitantes a criarem duas situações para aumentar a diferença no último quarto de hora da primeira parte: aos 37 minutos, novo cabeceamento de Idris em plena área, desta vez para grande defesa de Victor Golas; e aos 38 minutos, um desvio de Wang Gang, a cruzamento de Dominic, ficou muito perto das redes penafidelenses. Ao intervalo: 0-1.

Após o período de descanso, o Penafiel regressou claramente em busca do empate, o que esteve quase a acontecer em iniciativas de Aldair e Ruben Ribeiro, que passaram a escassos centímetros da baliza defendida por Nuno Santos. Os locais apenas voltaram a criar perigo aos 74 minutos, mas o remate de Manoel também não acertou nas redes serranas, contudo, foi um lance que despoletou uns momentos finais muito intensos, senão veja-se a seguinte sequência: aos 86 minutos, o recém entrado Luís Carlos viu o vermelho directo por falta violenta sobre Dani Matos, deixando o Penafiel em inferioridade numérica; aos 88 minutos, Baptiste obrigou Nuno Santos a uma intervenção difícil para segurar a vantagem visitante; e aos 89 minutos, uma boa defesa de Victor Golas impediu o sucesso do cabeceamento de Gabi. Volvidos alguns instantes, o último apito do árbitro Jorge Ferreira colocou o 0-1 como resultado final, originando o segundo triunfo consecutivo do Sporting da Covilhã, o que fará o clube entrar em 2012 numa posição mais confortável na classificação, visto que o próximo encontro será apenas em Janeiro, numa deslocação ao terreno do Belenenses.

Texto: Eugénio Lopes.

Ficha de Jogo:

http://www.lpfp.pt/liga_orangina/pages/jogo.aspx?epoca=20112012&jornada=12&jogo=7210

Actualizado em Domingo, 18 Dezembro 2011 18:30
 
Rosato
Quarta, 14 Dezembro 2011 00:00

Rosato, natural de Buenos Aires (Argentina), iniciou a carreira no Lanús, transferindo-se depois para o Doc Sud, mas voltando ao clube de origem antes de assinar pelo Sporting da Covilhã na época 1951/1952, dando início a quatro temporadas a representar a formação serrana. Rosato jogava a médio esquerdo e revelou sempre grande visão colectiva, participando em 77 jogos pelos covilhanenses na 1ª Divisão, nos quais rubricou quatro golos, ajudando a bons desempenhos da equipa nesse escalão, com destaque para o 6º lugar de 1951/1952. Também na Taça de Portugal, Rosato esteve em bom plano, contribuindo para duas presenças consecutivas do nosso emblema nos Quartos de Final da competição, mas eliminações perante SL Benfica e Vitória de Guimarães impediram maior protagonismo na prova. Que outras memórias permanecem de Rosato?

Actualizado em Terça, 13 Dezembro 2011 18:50
 
SC Covilhã 2 SC Freamunde 1
Domingo, 11 Dezembro 2011 00:00

 

 

Fofana cruza perante a oposição de Tarcísio

Depois de quatro jogos sem festejar um golo e sem vencer na Liga Orangina, o Sporting Clube da Covilhã conseguiu nesta jornada acabar com essa série negativa, visto que alcançou um triunfo por 2-1 sobre o Sport Clube Freamunde, com todos os tentos apontados no segundo tempo.

Os serranos entraram em campo num esquema de 1x4x3x3, com a baliza entregue a Nuno Santos, acompanhado na defesa por Dani Coelho, Gégé, Ricardo Rocha e Joel, sendo a zona intermediária composta por Idris, Gabi e André Sousa e o ataque por Wang Gang, Dominic e Fofana. O encontro teve um início muito lento, o que facilitou a missão dos sectores mais recuados, por isso, os lances de perigo foram uma raridade na primeira parte, havendo apenas a mencionar as seguintes acções: aos 15 minutos, um remate de rasteiro de Dani Coelho passou perto da baliza visitante; e aos 29 minutos, André Sousa obrigou Tó Figueira a boa defesa para canto, na sequência do qual, Wang Gang rematou para nova intervenção do guardião do Freamunde. Apesar de alguma superioridade covilhanense, a velocidade esteve quase sempre afastada da partida e o jogo chegou ao período de descanso com um nulo e sem grandes motivos de interesse. Ao intervalo: 0-0.

Dominic pressiona o guardião Tó Figueira

Tudo mudou na segunda parte, visto que o Covilhã regressou de pontaria afinada e fez dois golos em curto espaço de tempo: aos 47 minutos, Fofana conduziu bem a bola e rematou rasteiro fora do alcance de Tó Figueira, proporcionando os primeiros festejos dos adeptos locais; e aos 50 minutos, na cobrança de um livre directo, o alemão Dominic atirou de forma superior para o fundo das redes forasteiras, aumentando a alegria do público presente no Complexo Desportivo. O Freamunde não demorou a reagir e logo com perigo, pois, aos 58 minutos, a bola rematada por Marco Matias ainda bateu na parte superior da barra da baliza de Nuno Santos. Porém, os serranos organizaram-se em defesa do resultado e não permitiram ameaças sérias à sua vantagem, continuando bastante coesos após as entradas de Filipe Fernandes, Gui e Aníbal Capela, mas não se esqueceram de contra atacar, com Wang Gang a assinar uma bela jogada aos 88 minutos, finalizada com um remate à malha lateral. No entanto, o que parecia mais do que decidido, complicou-se em cima dos 90 minutos, visto que o árbitro Manuel Mota marcou uma grande penalidade por pretensa infracção de Gégé, que viu o cartão vermelho por acumulação de amarelos, num lance muito contestado pelos serranos, que ainda viram o técnico Tulipa ser expulso do banco de suplentes. Na conversão do castigo máximo, Bock colocou o resultado em 2-1, que seria o desfecho final, apesar das derradeiras tentativas do Freamunde em busca do empate. Terminado o sofrimento dos últimos instantes, os locais puderam celebrar o regresso às vitórias, somando três pontos que permitem uma ascensão na tabela classificativa e uma aproximação ao opositor da próxima jornada, que tem agendada uma deslocação a Penafiel.

Texto: Eugénio Lopes.

Fotografias: Filipe Pinto - Foto Académica.

Ficha de Jogo: http://www.lpfp.pt/liga_orangina/pages/jogo.aspx?epoca=20112012&jornada=11&jogo=7188

Resumo: José Cavaca - Provideo

 

Actualizado em Segunda, 12 Dezembro 2011 10:44
 
Túbia
Quarta, 07 Dezembro 2011 00:00

O angolano João Paulo Arsena Ribeiro ficou conhecido no mundo do futebol por Túbia, um extremo direito que chegou ao Sporting da Covilhã na temporada 2000/2001, tendo sido contratado ao Feirense após passagens por Boavista, Desportivo das Aves, União de Leiria e Sporting de Espinho. Na época inaugural ao serviço dos serranos, Túbia contribuiu para que a equipa estivesse na luta pelo 1º lugar na Zona Centro da 2ª Divisão B, no entanto, a subida de divisão acabaria por ser conquistada pela Oliveirense. Contudo, na temporada seguinte esse objectivo foi mesmo alcançado após intensa disputa com SC Pombal, com Túbia a ser elemento fundamental em algumas partidas, ajudando o emblema serrano a ascender à 2ª Divisão de Honra, com o jogo decisivo a ser realizado em Odivelas perante um grande número de adeptos covilhanenses. Túbia envergou a camisola serrana durante duas épocas e certamente que deixou outras recordações…

Actualizado em Terça, 06 Dezembro 2011 18:14
 
<< Início < Anterior 141 142 143 144 145 146 147 148 149 150 Seguinte > Final >>

Pág. 147 de 160
Livro História SCC
.
fa

Livro História do Sporting Clube da Covilhã 1923-1990 disponível para aquisição na Foto Académica, localizada nas Escadas do Quebra Costas n.º 2 - Covilhã

ATLETAS
JOGADORES DE A a Z:
TREINADORES
OUTRAS FIGURAS
ENTREVISTAS
EVENTOS
CONTACTOS
OUTROS
REDES SOCIAIS

face

SPONSOR

Gigarte - Design e Comunicação

ESTATÍSTICA
Visualizações de conteúdos : 1518154