História do Sporting Clube da Covilhã
António Borges
Quarta, 20 Fevereiro 2013 00:00

António Borges assinou pelo Sporting da Covilhã na temporada 1987/1988, tendo anteriormente representado diversos emblemas, alguns deles no principal escalão do futebol português, em concreto, Varzim, Desportivo de Chaves e SC Braga. Foi na formação transmontana que as exibições de António Borges assumiram maior destaque, ao ponto de estar pré-convocado para representar a selecção de Portugal no Campeonato Mundial de 1986, disputado no México. Com as cores serranas, o avançado António Borges esteve apenas uma época, com o nosso clube a disputar na altura a 1ª Divisão Nacional, embora sem conseguir escapar à despromoção ao escalão secundário, tendo António Borges participado em 22 jogos e assinado um golo. Com a descida de divisão do emblema covilhanense, António Borges rumou ao Felgueiras, deixando certamente várias memórias das suas capacidades futebolísticas…

Actualizado em Terça, 19 Fevereiro 2013 15:40
 
FC Arouca 3 SC Covilhã 0
Domingo, 17 Fevereiro 2013 00:00

O Sporting Clube da Covilhã continua a atravessar uma fase negativa na Segunda Liga, somando já o sexto jogo consecutivo sem qualquer triunfo, visto que nesta jornada foi derrotado no terreno do Futebol Clube de Arouca por 3-0, com o goleador Joeano a apontar todos os golos da partida.

A formação serrana foi a primeira a criar perigo logo aos 8 minutos, com o guardião Serginho a passar por dificuldades perante o remate de Pedro Henrique e a respectiva recarga de Tarcísio, no entanto, foi o Arouca que inaugurou o marcador no minuto seguinte, quando Joeano atirou para o fundo das malhas visitantes. O Covilhã tentou reagir à desvantagem, mas apenas uma acção merece saliência, quando foi reclamada uma grande penalidade por Miguel Oliveira ter eventualmente jogado a bola com o braço em plena área, contudo, o árbitro Pedro Proença não viu qualquer infracção e mandou seguir o encontro. O jogo estava movimentado, mas sem demasiado perigo para os sectores defensivos, com excepção para o minuto 31, em que a equipa local ameaçou festejar novo golo, porém, o remate de Dani foi bem defendido por Jorge Baptista. Aos 40 minutos, o treinador Fanã foi obrigado a colocar Fabrício no lugar de Pedro Henrique, que teve de sair lesionado na sua estreia como titular nos covilhanenses. Ao intervalo: 1-0.

Na segunda parte, o Covilhã surgiu apostado em chegar à igualdade, com Paulo Grilo a dar o primeiro sinal de perigo aos 50 minutos, obrigando o guarda-redes Serginho a uma intervenção atenta para canto. Contudo, o Arouca revelou-se muito forte nas situações de contra ataque e demonstrou porque está em posição de ascender à Primeira Liga, estando próximo de dilatar a diferença aos 64 minutos, quando Luís Pinto atirou para uma grande defesa de Jorge Baptista. Todavia, esta iniciativa foi o prenúncio do que se verificou volvidos alguns instantes, em que Joeano apareceu isolado e rematou com êxito para as redes serranas. Os forasteiros ainda procuraram reduzir a desvantagem, mas sem consequência na hora da finalização, no entanto, os locais continuaram a apresentar-se mais perigosos nas contra ofensivas, com Luís Pinto a falhar uma clara ocasião de golo aos 81 minutos, algo que não se verificou com o inevitável Joeano aos 87 minutos, que cabeceou eficazmente para o 3-0 que seria resultado final. Com este desfecho, o Sporting da Covilhã ficou em igualdade pontual com o Trofense na luta pela fuga à despromoção, precisamente o próximo visitante do Complexo Desportivo no domingo, numa partida que assume fundamental importância para as cores serranas.

Texto: Eugénio Lopes.

Ficha de Jogo: http://www.lpfp.pt/segunda_liga/pages/jogo.aspx?epoca=20122013&jornada=28&jogo=7706

Actualizado em Domingo, 17 Fevereiro 2013 18:26
 
Luizinho
Quarta, 13 Fevereiro 2013 00:00

O guineense Luizinho foi contratado pelo Sporting da Covilhã para a época 2004/2005, sendo proveniente da formação açoriana do Lusitânia, permanecendo no emblema serrano durante três temporadas consecutivas. Logo na primeira época, o avançado Luizinho contribuiu com dez golos para o sucesso serrano na Zona Centro da 2ª Divisão B, visto que o 1º lugar permitiu a subida à 2ª Divisão de Honra. Nesse escalão, Luizinho marcou cinco tentos, mas o emblema covilhanense acabou por descer de divisão ao não conseguir melhor do que o célebre empate (5-5) com o Desportivo de Chaves na última jornada da competição. Luizinho ficou no clube no regresso à 2ª Divisão B, mas apenas apontou dois golos, com os serranos a não conseguirem melhor do que o 4º lugar na Série C. A carreira de Luizinho levou depois o rumo de outros clubes, nomeadamente, Lousada, Nelas, Académico de Viseu, Macedo de Cavaleiros e Vianense, mas deixando certamente recordações das suas prestações com a camisola serrana…

Actualizado em Quarta, 13 Fevereiro 2013 09:57
 
SC Covilhã 0 Marítimo B 1
Domingo, 10 Fevereiro 2013 00:00

Paulo Grilo envolvido na luta pela posse de bola

Mais uma derrota comprometedora do Sporting Clube da Covilhã, desta vez na recepção ao Marítimo B pela margem mínima, num resultado que só não teve maiores consequências na tabela classificativa devido aos desfechos dos jogos dos adversários directos na luta pela permanência na Segunda Liga.

A formação covilhanense apresentou-se em campo num esquema de 1x4x2x3x1, com Jorge Baptista na baliza e um quarteto defensivo formado por Gilberto, Buba, Edgar e Paulo Grilo, jogando à sua frente Nené e Carlos Manuel, ficando Gui, Tarcísio e Pimenta no apoio ao ponta de lança Fabrício. Numa partida condicionada pelo vento forte e pela chuva, os serranos entraram bem no jogo e conseguiram colocar a bola nas redes madeirenses logo no primeiro minuto por Fabrício, no entanto, foi assinalado fora de jogo ao avançado brasileiro e o nulo manteve-se no marcador. Os locais estavam numa posição dominante e aos 11 minutos estiveram perto do golo, mas o remate de Fabrício encontrou a oposição do guarda-redes José Sá. A resposta do Marítimo B surgiu aos 13 minutos na cobrança de um livre directo, com André Ferreira a quase surpreender o guardião Jorge Baptista. Com o avançar do relógio, o encontro foi perdendo interesse, algo que se prolongou até ao final da primeira parte, exceptuando dois lances um pouco depois da meia hora: aos 31 minutos, um remate de Ytalo passou próximo das redes serranas; e aos 33 minutos, uma acção de Gui foi eficazmente interceptada pelo defesa Ricardo Alves. Ao intervalo: 0-0.

 

Carlos Manuel tenta passar por Armando

A etapa complementar teve um início movimentado e com jogadas perigosas, visto que aos 49 minutos, uma intervenção atenta de Jorge Baptista impediu o êxito do remate de Romeu Ribeiro, e aos 51 minutos, Gui não encontrou a melhor maneira de bater José Sá em plena grande área e livre de marcação. Porém, o encontro caminhou outra vez para uma fase sem qualquer emoção, embora com um Covilhã mais empenhado em chegar ao triunfo, com o técnico Fanã a colocar Moreira e Pedro Henrique em zonas atacantes, no entanto, sem efeitos práticos no terreno de jogo. Quando o nulo parecia não sofrer contestação, eis que surge o golo do Marítimo B aos 82 minutos, com Ruben Brígido a atirar rasteiro para o fundo das malhas locais. Os covilhanenses ainda procuraram reagir à desvantagem, mas sem criarem um verdadeiro lance de perigo, sendo mesmo os madeirenses a ameaçarem aumentar a contagem aos 87 minutos, quando João Vieira ficou a um toque do sucesso. Com este desaire, o Covilhã vê a diferença para a linha de descida reduzida para um ponto, seguindo-se uma deslocação ao terreno do Arouca no próximo domingo.

Texto: Eugénio Lopes.

Fotografias: Filipe Pinto.

Ficha de Jogo: http://www.lpfp.pt/segunda_liga/pages/jogo.aspx?epoca=20122013&jornada=27&jogo=7688

 

 

Actualizado em Segunda, 11 Fevereiro 2013 10:43
 
João Peixe
Quinta, 07 Fevereiro 2013 00:00

Na sequência de entrevistas anteriores, o site www.historiascc.com continua a salientar nomes destacáveis na vida do Sporting Clube da Covilhã, entrevistando desta vez João Peixe, que representou o emblema serrano entre 1998 e 2000, assinando boas exibições a mostrando-se como um exímio goleador, ajudando o nosso clube a conquistar o título de Campeão Nacional da 2ª Divisão B - Zona Centro na época 1998/1999, tendo marcado 16 golos nas duas épocas em que representou o emblema serrano.

Actualmente, João Peixe é massagista e técnico de fisioterapia

1 – Como surgiu o convite para ingressar no SC Covilhã?

Foi através do Mister António Jesus, que já na época anterior me tinha convidado, mas só na época seguinte fui para o Sporting Clube da Covilhã.

2 – Quais os factores que provocaram o êxito da equipa de 1998/99, que conseguiu a subida à Liga de Honra com considerável vantagem de cinco pontos na Zona Centro e onde João Peixe foi o melhor marcador do SCC com 12 golos?

Foram vários os factores de sucesso, como a estabilidade que o clube vivia naquele momento, quer financeiramente, quer ao nível de condições de trabalho, aliado à capacidade de liderança, experiência e valor do treinador António Jesus e sua equipa técnica, assim como o grande valor dos jogadores, quer ao nível humano, quer como profissionais.

3 – João Peixe é o jogador português que representou mais clubes em Portugal, no Sporting da Covilhã ficou durante duas épocas, foi um clube importante na sua carreira?

Foi um clube muito importante, porque devolveu-me o hábito de vitórias e de marcar golos e voltei a sentir-me jogador, com o Estádio Santos Pinto sempre com uma boa moldura humana e sempre a apoiar a equipa. Foi muito bom numa altura difícil da minha carreira.

4 – Foi campeão Europeu de Sub-18 em 1994, em Espanha, onde pontificavam nomes como Nuno Gomes, Dani, Quim, Beto, que mais tarde representaram clubes grandes em Portugal, sendo na altura João Peixe um dos nomes mais promissores desta seleção, o que faltou para singrar no Benfica?

Penso que faltou mais aposta da parte do clube. Quando subi a sénior, coincidiu com a entrada em vigor da   “lei Bosman “, que definiu a livre circulação de jogadores comunitários ,mas também cometi os meus erros, é verdade, mas nada que justificasse o “abandono” da parte do Benfica.

João Peixe envergou a nossa camisola entre 1998 e 2000

5 - Acompanha actualmente o SC Covilhã?

Sim, acompanho através da imprensa desportiva, internet e por vezes na televisão.

6 - Qual sua actividade no presente?

Sou massagista e técnico de fisioterapia. Tenho uma clínica onde exerço esta actividade e onde recebo muitos jogadores de Futebol

7 O que gostaria de referir que não foi mencionado anteriormente?

Que o Sporting Clube da Covilhã marcou a minha carreira desportiva. Fui muito feliz na Covilhã e gosto muito da cidade e das suas gentes, assim como de todo o distrito de Castelo Branco, que foi onde mais sucesso tive, quer colectivamente, quer individualmente. Também gostava de agradecer e dar os parabéns a todos os que fazem parte do site historiascc, pois, prestam um grande serviço, na divulgação do passado e do presente do Sporting Clube da Covilhã.

 João Peixe deu espectáculo com as cores serranas 

Actualizado em Quinta, 07 Fevereiro 2013 10:01
 
<< Início < Anterior 151 152 153 154 155 156 157 158 159 160 Seguinte > Final >>

Pág. 151 de 191
Livro História SCC
.
fa

Livro História do Sporting Clube da Covilhã 1923-1990 disponível para aquisição na Foto Académica, localizada nas Escadas do Quebra Costas n.º 2 - Covilhã

ATLETAS
JOGADORES DE A a Z:
TREINADORES
OUTRAS FIGURAS
ENTREVISTAS
EVENTOS
CONTACTOS
OUTROS
REDES SOCIAIS

face

SPONSOR

Gigarte - Design e Comunicação

ESTATÍSTICA
Visualizações de conteúdos : 2128770