História do Sporting Clube da Covilhã
Mauro Almeida
Quarta, 12 Setembro 2012 00:00

Mauro Almeida terminou o processo de formação no FC Porto, depois de ter iniciado a prática do futebol no Repesenses, tendo-se estreado no escalão sénior ao serviço do Académico de Viseu, onde o Sporting da Covilhã o foi contratar para a temporada 2002/2003. Mauro Almeida jogava preferencialmente a médio defensivo, ajudando os serranos a conseguirem pela primeira vez a manutenção na 2ª Divisão de Honra, fruto do 11º lugar da tabela classificativa. Na única época em que Mauro Almeida envergou a camisola covilhanense, verificou-se também uma prestação positiva na Taça de Portugal, visto que o nosso emblema apenas foi eliminado nos Oitavos de Final pelo Vitória de Setúbal, depois de ter deixado pelo caminho Desportivo das Aves, Praiense e FC Marco. As boas exibições de Mauro Almeida ao serviço do Sporting da Covilhã valeram-lhe a transferência para o Estrela da Amadora, a militar então na 1ª Divisão, prosseguindo depois a carreira em campeonatos de diversos países, como Holanda, Bulgária, Inglaterra, República da Irlanda e Angola. Que outras memórias existem de Mauro Almeida?

Actualizado em Terça, 11 Setembro 2012 22:35
 
SC Covilhã 2 Académica 0
Sábado, 08 Setembro 2012 19:38

Onze inicial dos serranos nesta partida

O Sporting Clube da Covilhã esteve em grande na primeira mão da 2ª Fase da Taça da Liga, visto que assinou uma bela exibição e derrotou por 2-0 a Associação Académica de Coimbra, conseguindo assim uma vantagem importante para a deslocação a terras conimbricenses, onde se decidirá quem vai passar à fase seguinte da competição.

Os serranos apresentaram-se em campo num esquema de 1x3x4x1x2, com Jorge Baptista na baliza, estando à sua frente Edgar, Gaspar e Ricardo Rocha, ficando a zona intermediária entregue a Dani Matos, Gilberto, Nené e Pimenta, com Tarcísio mais perto dos avançados Carlos Manuel e Fabrício. A formação local entrou na partida a pressionar bastante o adversário, tendo conseguido logo aos 7 minutos uma excelente situação para inaugurar o marcador, pois, Tarcísio foi derrubado na área visitante, sendo assinalada a grande penalidade pelo árbitro Paulo Baptista. Contudo, na respectiva conversão, Fabrício permitiu a intervenção de Peiser, que também defendeu a recarga do mesmo Fabrício, sobrando ainda a bola para Dani Matos, que a introduziu nas redes, mas com a equipa de arbitragem a marcar prontamente um fora de jogo. A Académica parecia surpreendida com a dinâmica serrana e passava muito tempo a ver jogar os covilhanenses, que acabaram mesmo por chegar ao golo aos 28 minutos, com um remate cruzado de Fabrício, que provocou a primeira alegria no muito público presente no Complexo Desportivo. O treinador forasteiro, Pedro Emanuel, reagiu quase de imediato à desvantagem, colocando em campo Marinho, mas o Covilhã não permitiu qualquer superioridade adversária. Ao intervalo: 1-0.

Na etapa complementar, a Académica surgiu mais empreendedora e a bola começou a aparecer com frequência na zona do ponta de lança Edinho, todavia, os serranos não perderam a concentração defensiva e mantiveram a sua baliza inviolável. No entanto, o conjunto de Filipe Moreira não se limitou às acções defensivas, visto que progredia várias vezes para o ataque com boas trocas de bola, tendo aumentado a diferença numa dessas jogadas, quando aos 64 minutos, Gilberto atirou de longe e rasteiro para o fundo da baliza de Peiser, estabelecendo assim o 2-0. Os visitantes bem se esforçaram para alterar o rumo dos acontecimentos, mas os serranos estavam atentos e ameaçaram novos festejos aos 75 minutos, com o guardião Peiser a evitar de cabeça que Fabrício ficasse com as redes à sua mercê. Sem demasiadas alterações nestas características, o jogo chegou ao seu final, com o Sporting da Covilhã a garantir uma vantagem de duas bolas para a segunda mão da eliminatória, seguindo-se na próxima semana mais uma prova a eliminar, agora a Taça de Portugal com a recepção ao Cinfães, numa partida que assinalará o regresso de jogos oficiais ao histórico Estádio Santos Pinto.

Texto: Eugénio Lopes.

Fotografia: Filipe Pinto - Foto Académica.

Ficha de Jogo: http://www.lpfp.pt/taca_liga/pages/jogo.aspx?epoca=20122013&jornada=4&jogo=8063

 

Actualizado em Segunda, 17 Setembro 2012 09:38
 
Martinho de Matos
Quarta, 05 Setembro 2012 00:00

Martinho de Matos, natural de Vila do Carvalho, completou os escalões jovens no Sporting da Covilhã, tendo ascendido à equipa principal na temporada 1953/1954, onde permaneceu até à época 1961/1962, com excepção apenas para o período em que esteve ao serviço do Tramagal. Martinho jogava preferencialmente a meio campo e a extremo, sendo um jogador de grande atitude e assinalável oportunismo, participando em 66 jogos dos serranos na 1ª Divisão Nacional, nos quais obteve 12 golos. Martinho integrou também a formação covilhanense que conquistou o campeonato nacional da 2ª Divisão em 1957/1958, garantindo assim o regresso ao escalão principal após uma luta interessante com o Vitória de Guimarães. Na Taça de Portugal, Martinho envergou a camisola serrana em 10 jogos, tendo assinado um golo, merecendo referência a presença do nosso clube nos Oitavos de Final na época 1959/1960, somente eliminado pelo FC Porto, depois de ter ultrapassado Vitória de Setúbal e União de Coimbra. Que outras recordações permanecem de Martinho?

 

Actualizado em Segunda, 17 Setembro 2012 09:29
 
SC Covilhã 1 Atlético CP 0
Domingo, 02 Setembro 2012 00:00

Fabrício pressionado por Luís Dias

A quinta jornada da Segunda Liga trouxe a primeira vitória do Sporting Clube da Covilhã na competição, visto que um golo de Fabrício, aos 75 minutos, foi suficiente para derrotar o Atlético Clube de Portugal, numa partida que melhorou bastante após o período de descanso.

Os locais apresentaram-se em campo num esquema de 1x3x4x1x2, com Jorge Baptista na baliza, estando à sua frente Edgar, Gaspar e Ricardo Rocha, ficando a zona intermediária entregue a Dani Matos, Gilberto, Nené e Pimenta, com Tarcísio mais perto dos avançados Carlos Manuel e Fabrício. Apesar da presença incómoda do vento, o encontro até teve um início prometedor, pois, aos 4 minutos, Lito rematou forte para uma boa intervenção de Jorge Baptista, e aos 6 minutos, Gaspar cabeceou por alto em plena área lisboeta. Com o avançar do relógio, o jogo foi perdendo interesse, tornando-se mesmo muito fraco, com os serranos quase sempre com a bola, mas sem argumentos para ultrapassar a defensiva adversária, e com o Atlético a defender bem, contudo, sem mais ambição do que aguardar por um deslize dos locais, por isso, o nulo era um espelho da realidade evidenciada em campo. Ao intervalo: 0-0.

Edgar e Lito lutam pela posse de bola

Na etapa complementar, nem foi preciso esperar muito tempo para perceber-se que o cenário estava completamente diferente, visto que logo nos momentos iniciais, os covilhanenses tiveram uma sucessão de acções perigosas: Dani Matos, em posição muito favorável, atirou contra um defensor da formação de Alcântara; na sequência do canto, Gaspar não conseguiu cabecear para as redes visitantes com Filipe Leão já batido; e Fabrício rematou por cima já na grande área adversária, após um bom passe de Carlos Manuel. Aos 57 minutos, o técnico Filipe Moreira procurou dar maior dinâmica ao ataque, colocando em campo João Rodrigues, porém, a baliza do Atlético continuava a ser um alvo de difícil acerto, e que o diga Tarcísio, que viu o seu cabeceamento passar ligeiramente por cima das redes de Filipe Leão. O Covilhã procurava claramente o triunfo e o treinador Filipe Moreira teve mesmo que vir para a pista de atletismo pedir o apoio do público, num gesto que resultou na perfeição aos 75 minutos, senão veja-se: um remate de Pimenta obrigou Filipe Leão a uma espectacular defesa para canto, na sequência do qual, e com os adeptos a gritarem “Covilhã, Covilhã, Covilhã”, Fabrício desviou de cabeça para o fundo das malhas lisboetas, assinando assim o único golo do jogo e provocando uma explosão de alegria no Complexo Desportivo. A reacção do Atlético foi pouco convincente e apenas um remate cruzado de Vítor Moreno causou alguma preocupação nas hostes serranas, que após o derradeiro apito de Cosme Machado puderam celebrar a primeira vitória no campeonato, que agora vai ter um interregno de duas semanas, voltando com o Sporting da Covilhã a deslocar-se ao terreno do Marítimo B .

Texto: Eugénio Lopes.

Fotografias: Filipe Pinto - Foto Académica.

Ficha de Jogo: http://www.lpfp.pt/segunda_liga/pages/jogo.aspx?epoca=20122013&jornada=5&jogo=7661

Actualizado em Segunda, 03 Setembro 2012 12:22
 
Jacinto João
Quarta, 29 Agosto 2012 00:00

Jacinto João começou a carreira a defender a baliza das camadas jovens do Salgueiros, mas as suas aptidões proporcionaram-lhe um lugar no plantel sénior do emblema portuense durante várias temporadas, antes de representar clubes como Belenenses, Académica, Paços de Ferreira e Beira-Mar, onde o Sporting da Covilhã o foi contratar para a época 1985/1986. Jacinto João esteve apenas uma temporada com as cores serranas, que na altura militavam na 1ª Divisão Nacional, tendo defendido as nossas redes em 12 jogos. Contudo, a época não foi nada fácil para o experiente Jacinto João e respectivos companheiros, visto que não conseguiram evitar o 16º lugar da tabela classificativa, com a consequente descida à divisão secundária. Jacinto João continuaria a sua actividade em diversos emblemas, como por exemplo, Leixões, União da Madeira, Olhanense, Oliveirense e Felgueiras. Que outras memórias existem de Jacinto João?

Actualizado em Quarta, 29 Agosto 2012 09:02
 
<< Início < Anterior 161 162 163 164 165 166 167 168 169 170 Seguinte > Final >>

Pág. 161 de 190
Livro História SCC
.
fa

Livro História do Sporting Clube da Covilhã 1923-1990 disponível para aquisição na Foto Académica, localizada nas Escadas do Quebra Costas n.º 2 - Covilhã

ATLETAS
JOGADORES DE A a Z:
TREINADORES
OUTRAS FIGURAS
ENTREVISTAS
EVENTOS
CONTACTOS
OUTROS
REDES SOCIAIS

face

SPONSOR

Gigarte - Design e Comunicação

ESTATÍSTICA
Visualizações de conteúdos : 2118800