História do Sporting Clube da Covilhã
FC Arouca 1 SC Covilhã 1
Domingo, 19 Fevereiro 2012 00:00

 

Idris efetua um passe

O Sporting Clube da Covilhã continua sem vencer no ano 2012 (em que já disputou seis encontros), mas nesta jornada conseguiu conquistar um ponto no terreno do Futebol Clube de Arouca, o que sempre ajuda na contabilidade desta competitiva Liga Orangina.

O jogo teve um começo movimentado e atípico, visto que em poucos minutos foram assinaladas duas grandes penalidades, uma a favorecer cada equipa: aos 5 minutos, na sequência de um canto, Fofana teve um ação manual em plena área, originando um castigo máximo devidamente convertido por Joeano; e aos 10 minutos, Bacar Baldé derrubou Jorge Chula na grande área local, provocando uma penalidade transformada em golo por Gabi, que assim restabeleceu a igualdade. A partir deste lance, o Arouca exerceu maior pressão sobre o adversário e conseguiu jogar mais tempo no meio campo contrário, mas a defensiva serrana revelou-se atenta e Igor Araújo apenas teve uma intervenção difícil a remate de Joeano. Com o decorrer do tempo, o Covilhã equilibrou novamente a partida e até criou uma flagrante oportunidade para se colocar em vantagem aos 45 minutos, quando Fofana isolou Dominic diante do guardião Bruno Conceição, mas o alemão atirou por alto para desespero dos adeptos covilhanenses presentes no Estádio Municipal de Arouca. Ao intervalo: 1-1.

Para a segunda parte, o técnico Vítor Oliveira reforçou a capacidade ofensiva dos locais com duas substituições, no entanto, foi o Covilhã que esteve perto do golo aos 55 minutos, com Gégé a cruzar para o cabeceamento de Dominic proporcionar uma excelente defesa a Bruno Conceição. Os visitantes animaram-se com esta jogada e acreditaram que a vitória estava ao seu alcance, conquistando uma série de cantos a seu favor, mas que não deram em nada digno de saliência. Perante este cenário, o Arouca acelerou o ritmo, dando início a uma fase final da partida cheia de emoção, com ações perigosas rubricadas por ambas as formações, senão atente-se: aos 79 minutos, um remate de Idris ficou a escassos centímetros da baliza local; aos 83 minutos, Marcelo atirou para uma intervenção espetacular de Igor Araújo desviar a bola para a barra; aos 85 minutos, Joeano preparava-se para festejar novo tento, só que não contou com a atenção de Ricardo Rocha no momento decisivo; e aos 87 minutos, Pimenta rematou por cima quando se encontrava em posição muito favorável para marcar. O derradeiro apito do árbitro Bruno Paixão sentenciou o 1-1 como resultado final, com o Sporting da Covilhã a somar o terceiro empate consecutivo fora de casa, sabendo-se que na próxima jornada recebe o Leixões no Complexo Desportivo.

Texto: Eugénio Lopes.

Ficha de Jogo: http://www.lpfp.pt/liga_orangina/pages/jogo.aspx?epoca=20112012&jornada=19&jogo=7077

Actualizado em Segunda, 20 Fevereiro 2012 12:34
 
Serrão
Quarta, 15 Fevereiro 2012 00:00

Serrão foi contratado pelo Sporting da Covilhã para a época 2005/2006, tendo representado na temporada anterior o FC Marco (que na altura competia na 2ª Liga), depois de passagens por Naval, Ovarense e Esposende. Logo nos primeiros jogos, percebeu-se que a baliza serrana estava bem entregue a Serrão, que foi titular em todas as partidas da 2ª Liga e realizando boas exibições ao longo da época, mas que não permitiram a permanência covilhanense nessa divisão, algo que só foi perdido na última jornada após um dramático empate a cinco bolas com o Desportivo de Chaves. Apesar da descida de divisão, Serrão continuou no emblema serrano, no entanto, ficou apenas mais meia temporada, visto que passaria depois a representar os açorianos do Operário, que também disputavam a 2ª Divisão B. Que outras memórias existem de Serrão?

Actualizado em Quarta, 15 Fevereiro 2012 09:52
 
Dr. Carlos Coelho
Terça, 14 Fevereiro 2012 15:56

 

 dr.carlos_coelho

 

Nasceu na freguesia de São Pedro, na Covilhã, em 24.11.1915 e formou-se em medicina na Universidade de Coimbra em 1938. Em 1940 começa a trabalhar na cidade da Covilhã como médico - cirurgião. Foi casado com D. Maria Cândida Oliveira da Silva Pereira e teve dois filhos.

Em 1945 toma posse como Presidente da Câmara Municipal da Covilhã, cargo que ocupou até 1955. No início dos anos cinquenta inaugura a luz elétrica em varias freguesias, como Ourondo, Orjais, Aldeia do Souto, Vale Formoso, Dominguiso, Vales, Peso, Coutada, Barco e Bairros do Rodrigo e do Tortosendo. É no seu mandato que é inaugurada oficialmente a Biblioteca Municipal da Covilhã, assim como a realização do 1º Rally Serra da Estrela.

De 1954 a 1959 foi Presidente da Assembleia Geral do Sporting Clube da Covilh, tendo sido sempre um Presidente presente nos problemas com que se ia deparando a direção do clube. Com todo o seu dinamismo e amor pelo clube, foi o grande impulsionador na galvanização dos covilhanenses para os problemas financeiros do Sporting da Covilhã. Liderou várias campanhas, como angariação de fundos junto dos industriais e comerciantes da cidade, assim como uma campanha de sócios que em 24 horas conseguiu 300 novos associados.

A direção do Sporting da Covilhã reconheceu todo o seu esforço, a sua grande dedicação, dinamismo e ação rigorosa, sendo por isso distinguido com o grau de “Sócio de Mérito”.

Em 1958 torna-se Presidente da Comissão Regional de Turismo da Serra da Estrela e foi deputado da Assembleia Nacional pelo círculo de Castelo Branco, assim como Presidente da Associação dos Bombeiros Voluntários da Covilhã.

Dr. Carlos Coelho foi um homem de grande prestígio, que em muito ajudou o Sporting da Covilhã, tendo falecido no dia 18.04.1983 em Coimbra.

Texto: Miguel Saraiva

https://www.facebook.com/#!/profile.php?id=100000526842816

 









Actualizado em Segunda, 12 Março 2012 13:52
 
SC Covilhã 0 Naval 1º Maio 2
Domingo, 12 Fevereiro 2012 00:00

 

Jorge Chula progride com a bola

Mais uma jornada sem o Sporting Clube da Covilhã vencer na Liga Orangina, perdendo desta vez com a Associação Naval 1º de Maio por 0-2, num resultado feito na primeira parte, que ditou o terceiro desaire consecutivo no Complexo Desportivo.

Os serranos apresentaram-se em campo num esquema de 1x4x3x3, com Igor Araújo na baliza, acompanhado na defesa por Dani Coelho, Aníbal Capela, Ricardo Rocha e Joel, com o meio campo ocupado por Idris, Gabi e André Sousa, enquanto o ataque ficou sob a responsabilidade do estreante Jorge Chula, Fofana e Dominic. Nesta partida, a Naval demonstrou cedo que atravessa um bom momento de forma (somou o sétimo jogo seguido sem derrotas), visto que inaugurou o marcador logo aos 4 minutos, quando na sequência de um canto apontado na esquerda gerou-se alguma confusão, sobrando a bola para o remate cruzado de Hugo Santos para o fundo das redes locais. O Covilhã reagiu à desvantagem e até conseguiu uma sucessão de cantos, mas a defensiva figueirense esteve sempre atenta e não permitiu grande protagonismo aos adversários. Já os visitantes revelavam-se mais perigosos nos pontapés de canto, aproveitando bem o vento favorável, pois, aos 20 minutos, só uma intervenção esforçada de Igor Araújo sobre a linha de baliza impediu o canto directo de João Pedro. Porém, foi apenas o adiar de uma realidade, visto que aos 38 minutos, após um canto cobrado na direita, Edivaldo cabeceou certeiro e colocou o resultado em duas bolas de diferença. Ao intervalo: 0-2.

Fofana pressiona Leandrinho

No segundo tempo, o treinador Tulipa fez entrar de imediato Pimenta (o outro dos recentes reforços) para a esquerda, derivando Fofana para mais perto de Dominic, e o certo é que o Covilhã mostrou algum ascendente, mas o melhor que alcançou foi um remate de Fofana para boa defesa de Taborda aos 50 minutos. A Naval tinha o encontro controlado, visto que os locais nunca encontraram soluções para ultrapassar a boa organização visitante, embora o técnico Tulipa ainda tenha mexido na equipa para procurar outros argumentos, colocando em campo Zezinho (foi para defesa direito, subindo Dani Coelho no terreno) e Dani Matos (trocou diretamente com Dani Coelho). Contudo, e apesar do empenho dos jogadores serranos, o marcador não sofreu mais alterações, permanecendo o 0-2 que já vinha da etapa inaugural. O Covilhã somou assim o quinto jogo consecutivo sem triunfar, continuando somente a dois pontos da zona de descida, desejando-se que possa melhorar o seu rendimento na deslocação ao terreno do Arouca na próxima jornada.

Texto: Eugénio Lopes.

Fotografias: Filipe Pinto - Foto Académica.

Ficha de Jogo: http://www.lpfp.pt/liga_orangina/pages/jogo.aspx?epoca=20112012&jornada=18&jogo=7067

Actualizado em Segunda, 13 Fevereiro 2012 10:14
 
Gregório Freixo
Quarta, 08 Fevereiro 2012 00:00

Gregório Freixo, natural de Évora, começou a praticar futebol na Académica de Coimbra, que viria a representar durante vários anos na 1ª Divisão, sendo depois transferido para o Vitória de Guimarães, onde as boas exibições valeram-lhe a chamada à Seleção Nacional. Antes de ingressar no Sporting da Covilhã, Gregório Freixo ainda representou o Marítimo, tendo chegado ao emblema serrano na época 1987/1988, uma temporada que marcaria a sua despedida da modalidade na função de futebolista. Os covilhanenses militavam então na 1ª Divisão, com Gregório Freixo a envergar a sua camisola em 29 jogos, atuando como defesa lateral direito ou esquerdo, tendo assinado um golo nesse campeonato, em que o SC Covilhã não conseguiu garantir a manutenção no principal escalão. Que outras recordações permanecem de Gregório Freixo?

Actualizado em Quarta, 08 Fevereiro 2012 09:53
 
<< Início < Anterior 161 162 163 164 165 166 167 168 169 170 Seguinte > Final >>

Pág. 162 de 178
Livro História SCC
.
fa

Livro História do Sporting Clube da Covilhã 1923-1990 disponível para aquisição na Foto Académica, localizada nas Escadas do Quebra Costas n.º 2 - Covilhã

ATLETAS
JOGADORES DE A a Z:
TREINADORES
OUTRAS FIGURAS
ENTREVISTAS
EVENTOS
CONTACTOS
OUTROS
REDES SOCIAIS

face

SPONSOR

Gigarte - Design e Comunicação

ESTATÍSTICA
Visualizações de conteúdos : 1836175