Coureles
Avaliação: / 1
FracoBom 

 

O site HistóriaSCC entrevistou desta vez Coureles, um médio que jogou no nosso clube durante catorze anos a partir de 1957/1958, tendo começado logo por ajudar os serranos a sagrarem-se Campeões Nacionais da 2ª Divisão. Coureles representou depois o emblema covilhanense na 1ª Divisão, participando em 35 jogos e assinando um golo, mas revelou pontaria mais acertada na Taça de Portugal, onde apontou três golos em 26 jogos, fazendo parte do lote de jogadores que mais vezes representaram os serranos nessa competição.

Coureles esteve presente na exposição fotográfica do nosso site

1 - Como é que ingressou no SC Covilhã?

Ingressei no SC Covilhã na época de 1956/1957. Encontrava-me a jogar no Futebol Clube de Serpa, onde consagrei-me como campeão nacional da 3ª Divisão, treinado pelo mister Fabian, mas posteriormente fui convidado a ingressar no Sporting Clube da Covilhã.

2 - Quais os principais momentos que passou no SC Covilhã?

Tenho muitos bons momentos passados no SC Covilhã, por isso, é muito difícil segmentar e descrever todos os bons momentos, mas recordo-me da época em que ingressei no SC Covilhã, porque fomos campeões nacionais da 2ª divisão, foi uma época fantástica! Fui também convidado a representar a selecção militar, tendo ficado orgulhoso por terem reparado num jogador acabado de chegar ao SC Covilhã. Não posso esquecer o mister Fabian, além dos grandes amigos, infelizmente alguns já partiram, outros ainda consigo ao fim de vários anos manter uma amizade sincera e pura.

Não posso também deixar de salientar as pessoas fantásticas e encantadoras da cidade da Covilhã, assim como toda a massa associativa, que no inicio deram-me força e coragem para enfrentar os desafios do dia-a-dia.

3 – Em 14 anos de SCC, quais os jogadores e treinadores que o marcaram mais?

Ao longo dos 14 maravilhosos anos que passei no SC Covilhã, é difícil destacar os que marcaram mais, porque todos deixaram marcas, mas existem sempre os grandes amigos: os jogadores Cabrita, Martin, Rita, Cavém, Pires, Lãzinhas, Manteigueiro, Tonho, Suarez, Óscar, Silva, Pérides e Amílcar, e os treinadores Fabian, Szabo e Meirim.

4 – Com a descida de divisão em 1961/62, o SCC ficou depois nos quatro anos seguintes, três vezes em 2º lugar. No seu entender porque é faltou tão pouco para subir novamente a primeira divisão?

Esta época marcou-me muito, porque foram os momentos mais difíceis da minha carreira, visto que correu tudo mal. Andamos sempre nos lugares cimeiros, 1º e 2º lugar, mas não voltamos a subir porque a sorte não quis nada com a equipa, tivemos vários percalços. Recordo-me que quando faltavam 5 jogos para a final do campeonato, fomos jogar à Marinha Grande, em que tive um combinação de felicidade e tristeza, porque ganhámos o jogo mas fracturei o perónio, numa partida em que o Lãzinha também se lesionou. A equipa ficou ressentida e tínhamos ainda 3 jogos em casa e 2 fora, o último em Braga, não esqueço, bastava empatar, vi da bancada o Braga a ganhar e a subir à 1ª divisão, além de também termos mudado de treinador o Beracochea (Brasileiro). O facto de ter sido uma época muito triste para mim e todos os meus colegas, não posso deixar de recordar com alegria que o Arnaldo (Guarda-redes) ganhou a Baliza de Prata, assim como o SC Covilhã teve a defesa menos batida do campeonato.

Coureles como capitão da equipa serrana

5 – Em Dezembro de 1971 foi-lhe feita uma festa de despedida onde estiveram muitos dos colegas e ex colegas de Coureles, foi um momento marcante?

Sim, é verdade, foi um momento que marcou-me muito por duas razões: primeiro, deixou-me muito triste, porque sentimos que está a chegar o momento de parar; segundo, como atleta e homem foi muito importante sentir que o nosso esforço, dedicação e empenho é reconhecido e manifestado não só com palavras, mas com o carinho e amizade que me foi transmitido na minha festa de homenagem. É sentir o reconhecimento pelo esforço e suor que dei no campo a representar o SC da Covilhã, por isso, aproveito para agradecer a todos os que participaram, um bem-haja!

6 - Acompanha atualmente o SC Covilhã?

Sim, vou acompanhando através dos meios de comunicação social e quando o SC Covilhã joga aqui em Lisboa, quando é possível, vou ver os jogos.

7 - Que gostaria de referir que não foi mencionado anteriormente?

Nada a acrescentar, porque já referi atrás todo o sentimento de orgulho em representar o Sporting Clube da Covilhã.

Festa de despedida de Coureles em Dezembro de 1971

 

Comentar


Livro História SCC
.
fa

Livro História do Sporting Clube da Covilhã 1923-1990 disponível para aquisição na Foto Académica, localizada nas Escadas do Quebra Costas n.º 2 - Covilhã

ATLETAS
JOGADORES DE A a Z:
TREINADORES
OUTRAS FIGURAS
ENTREVISTAS
EVENTOS
CONTACTOS
OUTROS
REDES SOCIAIS

face

SPONSOR

Gigarte - Design e Comunicação

ESTATÍSTICA
Visualizações de conteúdos : 1532065