História do Sporting Clube da Covilhã
Edy
Terça, 04 Setembro 2018 00:00

Jdilson Carlos de Albuquerque Borges responde por Edy nos meandros do futebol, um avançado que jogou nas camadas jovens de Atlético CP, SL Benfica e Estrela da Amadora, antes de estrear-se a nível sénior no Almancilense, que representou durante quatro temporadas consecutivas. Edy envergou depois a camisola de Imortal de Albufeira, CD Fátima, AC Salir e Silves FC, onde foi contratado pelo Sporting da Covilhã para disputar a 2ª Divisão de Honra na época 1996/1997. Edy começou por participar em 14 encontros oficiais com a camisola serrana, mas a temporada não estava a correr bem tanto a nível individual como colectivo, levando a que o atacante rumasse ao Olhanense a meio da época. Edy continuou ao serviço do emblema de Olhão por mais uma temporada, porém, seria no Almancilense que colocaria um ponto de final na sua carreira de futebolista. Que memórias permanecem de Edy com as cores serranas?

Actualizado em Terça, 11 Setembro 2018 08:39
 
SC Covilhã 1 Vitória SC Guimarães B 2
Domingo, 02 Setembro 2018 00:00

Henrique Gomes pressionado por Mimito

O Sporting Clube da Covilhã somou a segunda derrota consecutiva na Ledman LigaPro, desta vez na recepção à equipa B do Vitória Sport Clube de Guimarães, num jogo que finalizou com o resultado em 1-2, isto depois da formação serrana ter alcançado a liderança do marcador aos 36 minutos por intermédio de mais um golo do brasileiro Deivison.

O conjunto visitante entrou na partida logo com lances ameaçadores para a baliza de Vítor São Bento, com o guardião local a defender para canto um remate de Ali Elmusrati aos 3 minutos e com Jaime a ter uma acção oportuna a evitar os festejos de Maga aos 6 minutos. Os comandados do treinador Dito tentaram inverter a tendência do encontro, mas o certo é que o Vitória B estava melhor e continuava a criar problemas para a defensiva covilhanense, no entanto, foi mesmo a equipa local que inaugurou o "placard" aos 35 minutos, quando Deivison cabeceou com êxito um cruzamento de Adriano Castanheira na direita. Volvidos alguns instantes, o técnico Dito operou duas substituições, retirando de campo Caio Quiroga (devido a lesão) e Adriano Castanheira, mas a equipa não melhorou e o adversário permaneceu num plano superior, embora sem impedir a vantagem serrana para o tempo de descanso. Ao intervalo: 1-0.

Na segunda parte, o cenário do jogo não sofreu grandes modificações e o guarda-redes São Bento foi fundamental para evitar o empate vimaranense, com destaque para as defesas efectuadas nas iniciativas de Reisinho e de Mimito. Contudo, os vitorianos viram os seus objectivos concretizados aos 66 e 83 minutos, conseguindo virar o resultado a seu favor com tentos apontados por Gabriel Justino e Tapsoba. O onze serrano ainda procurou não sair derrotado desta partida, porém, sem sucesso nessa intenção, com o último apito do árbitro João Pinho a sentenciar o 1-2 como desfecho do encontro para desespero dos apoiantes locais presentes no Estádio José Santos Pinto. O campeonato vai sofrer uma paragem de duas semanas e quando regressar o Sporting da Covilhã terá uma deslocação ao terreno do FC Paços de Ferreira.

Texto: Eugénio Lopes.

Fotografia: Filipe Pinto - Foto Académica.

Ficha de Jogo: http://ligaportugal.pt/pt/liga/jogo/20182019/ledmanligapro/4/3

Actualizado em Domingo, 02 Setembro 2018 22:42
 
Gabi
Terça, 28 Agosto 2018 00:00

Gabriel José Pinto Couto é conhecido nos meios futebolísticos por Gabi, um médio que se iniciou no futebol federado no Fiães SC, onde percorreu todos os escalões jovens e jogou algumas épocas no patamar sénior. No entanto, as boas exibições de Gabi no sector intermediário possibilitaram o seu ingresso no Feirense, representando depois o Santa Clara, antes de assinar pelo Sporting da Covilhã para a época 2011/2012. Gabi assumiu papel fundamental na equipa serrana, pela qual participou em 35 jogos oficiais (2ª Liga, Taça de Portugal e Taça da Liga) e apontou seis golos, numa temporada em que o 15º lugar foi suficiente para a manutenção no escalão secundário, em virtude dos problemas financeiros que levaram à não inscrição da União de Leiria. Gabi representou posteriormente diversos clubes a nível nacional, em concreto, FC Arouca, FC Penafiel, Académico de Viseu, CD Estarreja e Oliveirense, tendo também uma passagem pelo campeonato de Chipre ao serviço do Nea Salamina. Que recordações existem de Gabi com o símbolo covilhanense?

Actualizado em Terça, 28 Agosto 2018 08:43
 
Varzim SC 3 SC Covilhã 1
Sábado, 25 Agosto 2018 00:00

Em jogo a contar para a 3ª jornada da Ledman LigaPro, o Sporting Clube da Covilhã sofreu a sua primeira derrota na competição, visto que perdeu por 3-1 no terreno do Varzim Sport Club, com o golo serrano a ser apontado pelo brasileiro Deivison aos 49 minutos, valendo na altura a igualdade, só que os locais marcaram mais dois tentos e ficaram com os três pontos.

A formação covilhanense assinou uma fase inicial em bom plano, no entanto, foi o Varzim que inaugurou o marcador à passagem do quarto de hora, com o nigeriano Stanley a desviar com êxito um remate de Haman. A reacção visitante não se fez esperar e aos 22 minutos a bola chegou a entrar na baliza varzinista, contudo, a arbitragem liderada por Hugo Miguel anulou o lance por suposto fora de jogo de um atleta serrano. O Covilhã continuou a praticar bom futebol e sucederam-se as acções perigosas para as redes locais, com destaque para duas iniciativas: aos 31 minutos, Adriano Castanheira atirou por cima diante do guardião Paulo Vítor; e aos 36 minutos, após um canto cobrado por Adriano, Jaime acertou no poste, não conseguindo assim alcançar o empate antes do tempo de descanso. Ao intervalo: 1-0.

Na segunda parte, os comandados do técnico Dito voltaram com a mesma postura e desta vez com reflexo no "placard", pois, aos 49 minutos, Deivison rubricou o tento do empate através de um bonito remate. Contudo, e com as mexidas operadas pelo treinador Capucho, o Varzim subiu de rendimento e regressou a uma posição de vantagem aos 60 minutos, quando o recém-entrado Jonathan Toro colocou a bola no fundo das redes de Vítor São Bento. O Covilhã esboçou uma resposta, mas não conseguiu ascender ao nível de jogo já apresentado, estando até perto de consentir novo golo aos 72 minutos, em que Nelsinho atirou por cima na transformação de um pontapé de penálti, resultante de uma acção manual de Jaime. Decorridos poucos minutos, o Varzim beneficiou de outro castigo máximo, agora originado por uma falta duvidosa de Henrique Gomes, mas desta vez o brasileiro Ruan Teles aproveitou para fixar o resultado em 3-1. Nos instantes finais, ambas as equipas tiveram oportunidades para festejar, porém, o marcador não sofreu mais alterações e o conjunto local somou um triunfo que permite ultrapassar os serranos na tabela classificativa. Depois de duas jornadas consecutivas fora de casa, o Sporting da Covilhã regressa ao Estádio José Santos Pinto no próximo domingo ao receber a equipa B do Vitória de Guimarães.

Texto: Eugénio Lopes.

Ficha de Jogo: http://ligaportugal.pt/pt/liga/jogo/20182019/ledmanligapro/3/8

Actualizado em Domingo, 26 Agosto 2018 00:45
 
Óscar Tellechea
Terça, 21 Agosto 2018 00:00

Óscar Tellechea iniciou a sua carreira de futebolista no Estudiantes de La Plata como defesa, onde esteve de 1929 até 1935, deixando depois a Argentina para prosseguir a actividade a nível internacional, tendo começado pelo vizinho Uruguai, no qual representou o Peñarol de Montevideu. Tellechea rumou em seguida para França, onde jogou durante três épocas por FC Sochaux, SR Colmar e FC Metz, ingressando no futebol Português na temporada 1939/1940 para envergar a camisola do Académico do Porto, actuando depois por Estoril e Belenenses. Na época 1946/1947, Óscar Tellechea inicia a sua carreira de treinador/jogador no Famalicão e depois Académico de Viseu, prosseguindo só na função de treinador por Académica de Coimbra, Torreense, Vitória de Guimarães, Barreirense, Desportivo de Beja, Sanjoanense e Beira-Mar. Óscar Tellechea ingressou no Sporting da Covilhã na temporada 1963/1964, mas somente a três jornadas do fim da 2ª Divisão Nacional, tendo como objectivo a subida de escalão, que não foi conseguida devido a derrota com o SC Braga na última jornada do campeonato. No entanto, a participação nesse ano na Taça Ribeiro dos Reis foi a melhor de sempre, com a equipa serrana a alcançar a fase final da competição sob o comando do técnico argentino, ficando num brilhante terceiro lugar. Óscar Tellechea continuou a treinar o emblema covilhanense na época seguinte, porém, a crise directiva desse ano levou a planificação da temporada a atrasar-se, tendo como consequência apenas o 7º lugar na classificação final da Zona Norte da 2ª Divisão Nacional. Tellechea voltou depois a comandar o Famalicão, seguindo a carreira técnica por Portimonense, União de Tomar, Mangualde e Oliveira do Bairro. Que outras memórias existem de Óscar Tellechea?

Actualizado em Terça, 21 Agosto 2018 08:53
 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Seguinte > Final >>

Pág. 3 de 160
Livro História SCC
.
fa

Livro História do Sporting Clube da Covilhã 1923-1990 disponível para aquisição na Foto Académica, localizada nas Escadas do Quebra Costas n.º 2 - Covilhã

ATLETAS
JOGADORES DE A a Z:
TREINADORES
OUTRAS FIGURAS
ENTREVISTAS
EVENTOS
CONTACTOS
OUTROS
REDES SOCIAIS

face

SPONSOR

Gigarte - Design e Comunicação

ESTATÍSTICA
Visualizações de conteúdos : 1516704