História do Sporting Clube da Covilhã
SC Covilhã 0 Leixões SC 2
Domingo, 18 Fevereiro 2018 00:00

Paulo Henrique pressiona Bruno Lamas

Quarto jogo consecutivo do Sporting Clube da Covilhã sem vencer na Ledman LigaPro, visto que nesta jornada foi derrotado por 0-2 pelo Leixões Sport Club no Estádio José Santos Pinto, com os dois golos forasteiros a surgirem quase de seguida sensivelmente a meio da segunda parte.

O emblema covilhanense apresentou-se em campo num esquema de 1x4x3x3, com Igor Rodrigues na baliza, acompanhado na defensiva por João Dias, Zarabi, Joel e Paulo Henrique, ficando Makouta, Gilberto e Vitó no meio campo, com Diarra, Reinildo e Adul Seidi com funções atacantes. A formação de Matosinhos assumiu o controlo do encontro logo nos momentos iniciais, tentando beneficiar também com o vento favorável, no entanto, foi necessário um erro do guardião Igor Rodrigues, ao não conseguir pontapear um passe de um colega, para criar perigo aos 16 mimutos, mas o remate de Bruno Lamas saiu por alto. Aliás, o mesmo Bruno Lamas mereceria nova referência aos 24 minutos, quando marcou um canto directo na direita para Igor Rodrigues afastar por cima da baliza. O jogo foi-se arrastando sem demasiado interesse, com um Leixões mais virado para o ataque e um Covilhã a procurar incomodar em rápidas respostas, que nunca assustaram verdadeiramente o sector defensivo visitante. Seriam outra vez os comandados de Francisco Chaló a estar mais perigosos aos 43 minutos, em que a cabeça de Joel impediu o possível sucesso da iniciativa de Derick. Ao intervalo: 0-0.

Igor Rodrigues defende a sua baliza em grande estilo

Para a etapa complementar, o treinador José Augusto trocou Diarra por Renato Reis, esperando uma maior dinâmica em terrenos ofensivos, que até pareceu ser uma realidade nos primeiros instantes deste período, mas o perigo voltou a acontecer na baliza contrária, pois, aos 52 minutos, um remate rasteiro de Breitner obrigou Igor Rodrigues a uma boa intervenção. Aos 62 minutos, os serranos tiveram a sua maior ameaça às redes nortenhas, com Renato Reis a atirar cruzado ao lado do desejado alvo, porém, o golo inaugural acabou mesmo por acontecer para as hostes leixonenses aos 64 minutos, com Breitner a apontar um livre directo para desvio infeliz de Zarabi, que assim colocou a bola na sua própria baliza. Ainda os cerca de 150 adeptos visitantes estavam em festa e já tinham novo motivo para expandir a sua alegria, visto que aos 64 minutos, em mais um livre cobrado por Breitner na esquerda, a redonda chegou até ao toque triunfal de Luís Silva, que fixou o resultado em 0-2. O conjunto covilhanense ainda tentou inverter o rumo do jogo, mas não revelou capacidade para colocar em causa a vantagem forasteira, que ficou confirmada com o derradeiro apito do árbitro Hélder Malheiro. É certo que o Sporting da Covilhã tem alguma folga pontual para a zona de descida de divisão, mas precisa de voltar em breve às vitórias para poder estar mais confortável na fase decisiva do campeonato, desejando-se que tal possa acontecer já no sábado, na deslocação ao terreno do Famalicão.

Texto: Eugénio Lopes.

Fotografias: Filipe Pinto - Foto Académica.

Ficha de Jogo: http://ligaportugal.pt/pt/liga/jogo/20172018/ledmanligapro/25/9

Actualizado em Segunda, 19 Fevereiro 2018 10:09
 
Fábio Ervões
Terça, 13 Fevereiro 2018 00:00

Fábio Ervões começou a jogar futebol federado no Valpaços, clube da sua terra natal, mas depressa rumou aos iniciados do GD Chaves, onde continuou a destacar-se no centro da defensiva, ao ponto de ser contratado pelo FC Porto, no qual terminou os escalões jovens, tendo pelo meio um empréstimo aos juvenis do Padroense. A nível sénior, Fábio Ervões estreou-se pelo Esmoriz, rubricando boas exibições na 2ª Divisão B, o que terá despertado o interesse do Sporting da Covilhã, sendo apresentado como reforço do nosso clube na época 2008/2009, com o emblema serrano a disputar a 2ª Liga. Fábio Ervões foi intercalando a titularidade com o banco de suplentes no conjunto covilhanense e acabou por mudar de clube a meio da temporada seguinte, passando a representar o União da Madeira, no entanto, saliente-se o seu contributo para um honroso 7º lugar alcançado pelos serranos no segundo escalão do futebol português. Depois da agremiação madeirense, Fábio Ervões envergou a camisola de FC Penafiel, Boavista FC (na 1ª Liga) e FC Vizela. Que lembranças existem de Fábio Ervões com a camisola serrana?


Actualizado em Terça, 13 Fevereiro 2018 10:57
 
CD Nacional 1 SC Covilhã 1
Domingo, 11 Fevereiro 2018 00:00

O Sporting Clube da Covilhã garantiu um ponto na deslocação ao terreno do Clube Desportivo Nacional, um dos assumidos candidatos à subida de divisão, que teve ainda mais sabor por ter sido alcançado através de um golo aos 88 minutos, momento em que o recém-entrado Amadu Turé fixou o resultado em 1-1 para desespero das hostes madeirenses.

Como seria de esperar, a formação insular demonstrou desde cedo maior vocação ofensiva, porém, sem incomodar demasiado o guardião Igor Rodrigues, que nem foi obrigado a qualquer intervenção de elevado grau de dificuldade. Esta fase inicial ficou também marcada por reclamações de ambas as equipas sobre hipotéticos pontapés de penálti, mas o árbitro Carlos Espadinha não viu qualquer infracção nos dois lances, quer na queda de Vanilson na área serrana, quer no corte com a mão por um defensor local no lado contrário. Com o relógio a avançar, o Covilhã soltou-se com mais frequência do sector defensivo e aos 38 minutos teve mesmo uma boa oportunidade para inaugurar o marcador, contudo, o remate de Fatai foi desviado para canto por um opositor. E quando o nulo parecia ser uma certeza para o período de descanso, eis que Camacho assina um grande momento de futebol e coloca o Nacional em vantagem no "placard". Ao intervalo: 1-0.

Na etapa complementar, os comandados de José Augusto tiveram que arriscar em busca da igualdade perante um conjunto madeirense a jogar mais no contra ataque, no entanto, foi necessário aguardar pelo minuto 68 para que surgisse uma ocasião evidente para mexer no resultado, com Paulo Henrique a cobrar um livre a que Zarabi quase deu a desejada sequência. Aos 75 minutos, o nigeriano Abalo realizou a sua estreia com a camisola covilhanense, porém, seria a entrada do guineense Amadu Turé que viria a revelar-se decisiva para o desfecho, visto que aos 88 minutos, após um canto, o avançado visitante atirou certeiro para as redes defendidas por Daniel e deu um ponto para as contas serranas na classificação. Inverteram-se os papéis nos derradeiros instantes, com os alvinegros a voltarem a uma postura atacante e os forasteiros atentos a uma rápida resposta, mas o resultado não sofreu alterações e ficou mesmo em 1-1. Com o segundo empate consecutivo na Ledman LigaPro, o Sporting da Covilhã ocupa a 9ª posição na tabela, seguindo-se uma recepção ao Leixões no domingo, numa partida com mais um emblema que aposta na ascensão ao primeiro escalão do futebol português.

Texto: Eugénio Lopes.

Ficha de Jogo: http://ligaportugal.pt/pt/liga/jogo/20172018/ledmanligapro/24/3

Actualizado em Domingo, 11 Fevereiro 2018 21:12
 
João Silva
Terça, 06 Fevereiro 2018 00:00

O guineense João Silva assumiu protagonismo no sector intermediário do Salgueiros, que representou durante várias épocas, duas delas na 1ª Divisão Nacional, um escalão em que voltaria a actuar mais tarde pelo Desportivo das Aves. Foi precisamente no emblema avense que o Sporting da Covilhã contratou Silva para a temporada 1988/1989, com os serranos empenhados na tentativa de regressar à divisão mais alta do futebol português, da qual haviam descido na época anterior. No entanto, esse objectivo depressa foi esquecido por Silva e colegas, pois, a diferença pontual para o 1º lugar ganhou contornos impeditivos, com o conjunto covilhanense a terminar a Zona Centro da 2ª Divisão Nacional na 6ª posição. Entre Campeonato e Taça de Portugal, Silva participou em 21 jogos com a camisola serrana, nos quais apontou um golo, que valeu um triunfo sobre o Estrela de Portalegre por 1-0 na 4ª jornada da divisão secundária. Depois de uma época na agremiação covilhanense, João Silva voltou ao norte do país para representar o Valadares, mas terá deixado certamente memórias da sua passagem pelo nosso clube…

Actualizado em Terça, 06 Fevereiro 2018 09:45
 
SC Covilhã 1 UD Oliveirense 1
Domingo, 04 Fevereiro 2018 00:00

Makouta pressionado por Amorim

O Sporting Clube da Covilhã não foi além de uma igualdade a uma bola na recepção à União Desportiva Oliveirense, estando mesmo em desvantagem no marcador já no último quarto de hora da partida, mas o pontapé de penálti devidamente convertido em golo por Fatai aos 83 minutos salvou um ponto para as cores covilhanenses.

O conjunto serrano apresentou-se em campo num esquema de 1x4x3x2x1, com Igor Rodrigues na baliza, acompanhado na defensiva por João Dias, Gerson, Zarabi e Paulo Henrique, ficando Makouta e Gilberto na zona mais recuada no meio campo, com Fatai, Índio e Reinildo no apoio ao ponta de lança Adul Seidi.  Num jogo influenciado pelo vento, a formação visitante tentou aproveitar esse factor a seu favor na primeira parte, criando uma sequência de lances perigosos para as redes locais: aos 7 minutos, um cruzamento de Ricardo Tavares na esquerda levou a bola ao poste da baliza serrana; aos 11 minutos, um remate de Amorim passou um pouco por cima do alvo; aos 15 minutos, um cabeceamento de Riascos obrigou o guardião Igor Rodrigues a uma boa defesa; e aos 22 minutos, Ricardo Tavares apontou um livre directo para intervenção atenta de Igor Rodrigues. Sensivelmente a meio do primeiro tempo, o Covilhã conseguiu estabilizar o seu jogo e passou a ser a melhor equipa em campo, ameaçando por duas vezes chegar ao tento inaugural, visto que aos 35 minutos, Makouta isolou Reinildo diante do guarda-redes Coelho, sendo este mais eficaz no duelo com o moçambicano, e aos 38 minutos, Índio surgiu em posição privilegiada para ter êxito, porém, não revelou capacidade sequer para atirar à baliza forasteira, permanecendo assim o nulo para o período de descanso. Ao intervalo: 0-0.

Igor Rodrigues impõe-se nas alturas

Na etapa complementar foram os pupilos de José Augusto que procuraram beneficiar com o vento, tendo conseguido uma série de três acções em que os festejos tiveram perto de ser uma realidade: aos 50 minutos, Adul Seidi cabeceou ao poste da baliza oliveirense; aos 62 minutos, nova bola no ferro, agora num cabeceamento de Reinildo; e aos 65 minutos, em localização frontal às redes adversárias, Índio rematou para defesa segura de Coelho. Apesar de estarem mais preocupados com a defensiva, os comandados de Pedro Miguel nunca perderam as esperanças de alcançar um golo, algo que veio mesmo a acontecer aos 78 minutos, quando Amorim atirou certeiro a redonda cruzada do lado esquerdo. O Covilhã via as suas intenções de triunfo complicarem-se, mas ganhou novo alento aos 83 minutos com o tento do empate, pois, o árbitro Daniel Cardoso assinalou um castigo máximo devido ao derrube de Adul Seidi na área visitante, sendo aproveitado por Fatai para colocar o resultado em 1-1. Os serranos ainda aceleraram em busca dos três pontos, no entanto, no tempo de compensação até foi a Oliveirense que esteve mais perigosa, com destaque para o minuto 90+2, em que  Riascos falhou por muito pouco aquele que seria o golo da vitória. Com este empate, o Sporting da Covilhã continua na zona intermédia da classificação, bem mais perto dos lugares de subida do que das posições de descida, seguindo-se uma deslocação à Madeira para jogar com o Nacional no domingo.

Texto: Eugénio Lopes.

Fotografias: Filipe Pinto - Foto Académica.

Ficha de Jogo: http://ligaportugal.pt/pt/liga/jogo/20172018/ledmanligapro/23/8

Actualizado em Segunda, 05 Fevereiro 2018 10:10
 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Seguinte > Final >>

Pág. 7 de 154
Livro História SCC
.
fa

Livro História do Sporting Clube da Covilhã 1923-1990 disponível para aquisição na Foto Académica, localizada nas Escadas do Quebra Costas n.º 2 - Covilhã

ATLETAS
JOGADORES DE A a Z:
TREINADORES
OUTRAS FIGURAS
ENTREVISTAS
EVENTOS
CONTACTOS
OUTROS
REDES SOCIAIS

face

SPONSOR

Gigarte - Design e Comunicação

ESTATÍSTICA
Visualizações de conteúdos : 1439972