História do Sporting Clube da Covilhã
Mauro
Terça, 13 Março 2018 00:00

O angolano Mauro finalizou os escalões de formação no Belenenses, mas a sua estreia a nível sénior foi pelo Ginásio 1º Maio da Agualva, envergando depois a camisola de União de Almeirim, Académico de Viseu, Naval, Farense (na 1ª Divisão Nacional) e SC Lamego, antes de assinar pelo Sporting da Covilhã para a temporada 1996/1997. Mauro jogava preferencialmente a extremo esquerdo, tendo participado em 22 jogos oficiais pelo emblema serrano, nos quais apontou um golo, isto, numa época que terminou da pior maneira para o nosso clube, visto que não conseguiu garantir a permanência na 2ª Divisão de Honra, na sequência de uma derrota no terreno do Desportivo de Beja na última jornada da competição. Na temporada seguinte, Mauro representou o Torreense, continuando posteriormente a jogar por vários clubes, em concreto, Lusitânia, FC Penafiel, FC Paços de Ferreira (na 1ª Divisão Nacional), Belenenses (também no principal escalão do futebol português), Estrela da Amadora, Ovarense e Santa Clara, com passagens pelos campeonatos do Chipre ao serviço de Acharnaikos e Onisilos Sotira. Mauro foi internacional AA por Angola em onze ocasiões, tendo apontado três golos com a camisola da sua selecção. Que lembranças permanecem das fulgurantes arrancadas de Mauro pelo seu flanco?

Actualizado em Terça, 13 Março 2018 09:39
 
FC Arouca 2 SC Covilhã 2
Sábado, 10 Março 2018 00:00

Ainda não foi nesta jornada que o Sporting Clube da Covilhã regressou aos triunfos na Ledman LigaPro, mas já é um bom indicador voltar a pontuar, até porque o empate (2-2) foi alcançado no terreno do Futebol Clube de Arouca, um dos principais candidatos aos lugares de subida à Primeira Liga, com o último golo local a ser apontado através de um polémico pontapé de penálti aos 87 minutos.

Como seria expectável, o conjunto anfitrião entrou no jogo com uma postura atacante, demonstrando que queria voltar ao comando do campeonato, no entanto, teve pela frente uma equipa serrana muito organizada, quer a defender, quer na saída para terrenos ofensivos. É certo que foi o Arouca que inaugurou o marcador aos 15 minutos, num cabeceamento de Roberto após um canto, mas com a devida resposta covilhanense aos 23 minutos, quando Renato Reis foi eficaz a desviar um remate de um colega e restabeleceu a igualdade na partida. O encontro evoluiu depois para uma fase de muita luta pela posse de bola e quase ausência de lances perigosos junto de ambas as balizas, com o relvado a acusar a chuva dos últimos tempos. Ao intervalo: 1-1.

Na segunda parte, o Covilhã esteve perto de marcar logo aos 49 minutos, com João Dias a atirar para uma boa defesa de Bracali, sobrando a redonda para o remate de Adul Seidi ao lado, com o guineense numa posição favorável para ter sucesso. Apesar de mais rematador, o Arouca evidenciava algumas dificuldades perante um onze serrano bastante confiante, não sendo de estranhar que tenham sido os visitantes a passar para a dianteira do "placard" aos 71 minutos, quando o moçambicano Reinildo deu a melhor sequência ao cruzamento de Renato Reis. Contudo, os pupilos de José Augusto tiveram uma grande contrariedade aos 75 minutos, visto que o árbitro Sérgio Piscarreta considerou que a infracção de Joel era merecedora do segundo cartão amarelo, originando assim a expulsão do defesa central serrano. Esta situação veio animar os arouquenses, que procuraram beneficiar da vantagem numérica para chegarem pelo menos ao empate, o que acabou por acontecer aos 87 minutos da seguinte forma: Nuno Valente rematou para uma boa intervenção de Igor Rodrigues, ficando a recarga para Areias, mas o guardião visitante defendeu de novo, agora a meias com o poste, surgindo depois um jogador local caído na área, com o árbitro a assinalar um pontapé de penálti, muito contestado pelos serranos, que foi convertido no 2-2 pelo nosso conterrâneo Nuno Coelho. Claro que a vitória era o desfecho desejado, porém, este ponto permite ao Sporting da Covilhã alargar a diferença para a zona de despromoção, seguindo-se nova deslocação no próximo domingo, desta vez ao campo da equipa B do FC Porto.

Texto: Eugénio Lopes.

Ficha de Jogo: http://ligaportugal.pt/pt/liga/jogo/20172018/ledmanligapro/28/4

Actualizado em Sábado, 10 Março 2018 21:10
 
António Alberto
Terça, 06 Março 2018 00:00

António Alberto iniciou a actividade futebolística na ARC Oliveirinha, na qual assumiu protagonismo no sector atacante, o que possibilitou-lhe a ida para os juniores do Estoril-Praia, mas regressando ao clube de Aveiro para a estreia no patamar sénior. Depois de algumas temporadas na Oliveirinha, António Alberto rumou ao Minho para representar Vianense e Amadores de Caminha, antes de ingressar no Sporting da Covilhã na época 1991/1992. António Alberto conquistou a titularidade no ataque serrano, mas a temporada evoluiu de forma negativa para o nosso clube, que acabou por ser despromovido à 3ª Divisão Nacional. Na memória dos apoiantes serranos estarão certamente os dois golos apontados por António Alberto à Desportiva da Guarda na 2ª eliminatória da Taça de Portugal, que valeram o apuramento para a ronda seguinte (eliminação pelo Leça FC) com um triunfo por 2-1 após prolongamento. Depois do emblema covilhanense, António Alberto envergou a camisola de Lanheses, Lusitânia de Lourosa e Beira-Mar, deixando certamente recordações das suas exibições com o símbolo serrano…

Actualizado em Terça, 06 Março 2018 09:36
 
SC Covilhã 1 SL Benfica B 3
Domingo, 04 Março 2018 00:00

Makouta pressiona Keaton Parks

O Sporting Clube da Covilhã está a passar pelo pior momento da temporada, visto que somou diante da equipa B do Sport Lisboa e Benfica a terceira derrota consecutiva e o sexto jogo seguido sem qualquer triunfo, o que implica uma aproximação perigosa aos lugares que ditam a descida de divisão, agora somente a quatro pontos quando faltam disputar onze jornadas.

O conjunto serrano apresentou-se em campo num esquema de 1x4x4x2, com Igor Rodrigues na baliza, acompanhado na defensiva por João Dias, Zarabi, Joel e Paulo Henrique, ficando Makouta, Gilberto, Renato Reis e Moses no meio campo, com Amadu Turé e Adul Seidi em funções atacantes. Numa partida marcada pela chuva, frio (6ºC) e vento, o emblema local foi o primeiro a festejar logo aos 8 minutos, quando na sequência de um canto na esquerda, Joel surgiu a cabecear para as redes lisboetas. No entanto, a resposta benfiquista não demorou a chegar, pois, aos 15 minutos, um remate rasteiro de Zé Gomes bateu o guardião Igor Rodrigues e colocou as equipas empatadas. Os visitantes galvanizaram-se com este tento e Heriberto ameaçou virar o resultado a seu favor aos 19 minutos, atirando por alto em plena área covilhanense. A restante primeira parte caracterizou-se pelo equilíbrio e muita luta pela posse de bola, mas sem mais lances de grande emoção junto de ambas as balizas. Ao intervalo: 1-1.

Hudson tenta evitar a acção de Pedro Amaral

Para o segundo tempo, os pupilos de José Augusto voltaram com uma postura dominadora e tiveram uma boa ocasião para marcar aos 47 minutos, com Gilberto a isolar Renato Reis diante do guarda-redes Fábio Duarte, num duelo vencido pelo atleta encarnado ao defender a bola para canto. O Covilhã voltaria a ameaçar mexer no "placard" precisamente após um canto aos 66 minutos, em que João Dias efectuou mal o remate em posição favorável para ter êxito. Os serranos estavam por cima na partida e aos 75 minutos tiveram outra oportunidade para ganharem vantagem no encontro, quando uma bola bombeada de longe deixou Renato Reis em frente da baliza forasteira, mas o extremo local não fez melhor do que atirar por cima das redes, provocando o desespero nas hostes anfitriãs. Já o SL Benfica B, revelou pontaria afinada na parte final da partida e logo em dose dupla: aos 82 minutos, Chrien cruzou para o cabeceamento triunfal de Lystcov, que assim colocou o emblema de Lisboa na dianteira do marcador; e aos 84 minutos, Gedson assinou um belo remate que fixou o resultado em 1-3. O conjunto serrano ainda procurou alcançar um desfecho diferente, mas sem sucesso, até porque já faltava pouco tempo para o derradeiro apito do árbitro Rui Oliveira. Com este desaire, o Sporting da Covilhã fica apenas a quatro pontos dos lugares de despromoção, seguindo-se uma deslocação ao terreno do Arouca no próximo sábado, onde se deseja que o nosso clube comece a inverter esta onda negativa.

Texto: Eugénio Lopes.

Fotografias: Filipe Pinto - Foto Académica.

Ficha de Jogo: http://ligaportugal.pt/pt/liga/jogo/20172018/ledmanligapro/27/2

Actualizado em Segunda, 05 Março 2018 10:09
 
Guimarães
Terça, 27 Fevereiro 2018 00:00

O médio Guimarães jogou durante várias épocas no Esposende, com uma passagem pelo Fão, antes de rumar ao Trofense, representando posteriormente Vianense, Recreio de Águeda, Desportivo das Aves e SC Lamego, onde foi contratado pelo Sporting da Covilhã para a temporada 1994/1995. Guimarães veio encontrar o nosso clube na 3ª Divisão Nacional, destacando-se pela sua experiência, capacidade técnica e veia goleadora, que revelaram importância para a subida à 2ª Divisão B, que foi alcançada através do 2º lugar na Série C após intensa disputa com o Arrifanense por essa desejada posição. A carreira de Guimarães prosseguiu depois por outros emblemas, nomeadamente, Régua, Marinhas, Ambos-os-Rios e UD Vila Chã. Que outras memórias permanecem de Guimarães com as cores covilhanenses?

Actualizado em Terça, 27 Fevereiro 2018 10:10
 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Seguinte > Final >>

Pág. 8 de 157
Livro História SCC
.
fa

Livro História do Sporting Clube da Covilhã 1923-1990 disponível para aquisição na Foto Académica, localizada nas Escadas do Quebra Costas n.º 2 - Covilhã

ATLETAS
JOGADORES DE A a Z:
TREINADORES
OUTRAS FIGURAS
ENTREVISTAS
EVENTOS
CONTACTOS
OUTROS
REDES SOCIAIS

face

SPONSOR

Gigarte - Design e Comunicação

ESTATÍSTICA
Visualizações de conteúdos : 1476020